Mourinho admite sonegação e é multado em 800 mil euros na Espanha

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 8 de maio de 2018 as 14:05, por: CdB

A Receita confirmou a Promotoria que, em 2004, o técnico assinou contrato, cedendo os direitos de imagem a uma empresa com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, depois passando para outras sociedades

Por Redação, com EFE – de Madri:

O técnico português José Mourinho, do Manchester United, chegou a acordo verbal com o Ministério Público da Espanha, em que se declarou culpado por dois crimes contra a Receita e se comprometeu a pagar 800 mil euros de multa (R$ 3,38 milhões).

O técnico português José Mourinho, do Manchester United

Fontes ligadas ao processo relataram à Agência Efe que a defesa do comandante, ex-Real Madrid; enviou carta à Promotoria, há alguns dias, propondo os termos que foram aceitos pela justiça; conforme publicou nesta terça-feira o jornal espanhol El Mundo.

O Tribunal de Instrução número 4 de Alarcón, em Madri, investigava Mourinho; a partir de denúncia apresentada pelo Setor de Crimes Financeiros da Promotoria da capital, de fraude de 3,3 milhões de euros (R$ 13,9 milhões); durante passagem pelo Real, entre 2011 e 2012.

O português foi acusado por dois crimes de sonegação ao Imposto de Renda. A Receita confirmou a Promotoria que, em 2004, o técnico assinou contrato, cedendo os direitos de imagem a uma empresa com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, depois passando para outras sociedades.

De acordo com a denúncia, a ideia era ocultar os valores recebidos a título de direitos de imagem.

Federação neozelandesa

A Federação Neozelandesa de Futebol e a Associação de Jogadores Profissionais anunciaram nesta terça-feira um acordo que prevê igualdade salarial e de condições entre as seleções masculinas e femininas.

Em comunicado no site oficial, a entidade que comanda o futebol na Nova Zelândia explicou; que o acordo garante salários, prêmios, direitos de imagem e condições de deslocamentos iguais quando os atletas representarem o país.

O diretor-executivo da federação, Andy Martin, comentou que as jogadoras convocadas; para a seleção são “um exemplo para as 30 mil atletas do país”; por isso, considerou “importante reconhecer essa contribuição” através do acordo.

– A negociação foi positiva e eu gostaria agradecer à associação de jogadores pela forma como as discussões aconteram – afirmou Martin.

O ex-jogador Harry Ngata, que agora dirige o sindicato da categoria; indicou; que conseguir esta igualdade era um propósito de todos os jogadores.

– Este é o primeiro acordo que se alcança deste tipo e esperamos; que encoraje outras organizações a adotarem medida similar – disse Ngata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *