MST: a vida num acampamento

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 30 de setembro de 2019 as 11:51, por: CdB

Fundado há 35 anos para lutar pela reforma agrária, o MST se tornou o maior movimento social da América Latina. Hoje, um de seus capítulos mais complexos é um acampamento que abriga 2,5 mil pessoas no interior paulista.

Por Redação, com DW – de Brasília

Pela antiga porteira, vigiada 24 horas por dia, só passam conhecidos ou visitantes aguardados. As letras grafadas em azul na madeira indicam quem controla o fluxo: “MST”. É a porta de entrada para o acampamento Marielle Vive, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, em Valinhos, no interior de São Paulo.

Porteira do acampamento Marielle Vive, em Valinhos
Porteira do acampamento Marielle Vive, em Valinhos

O carro de José está liberado. Ele transporta uma mulher que sofreu queimaduras pelo corpo e que retorna ao acampamento depois de dias no hospital. A paciente precisa de remédios que não são distribuídos gratuitamente pela rede pública, e o motorista se pergunta como irão juntar dinheiro para fazer a compra.

José se mudou para a área dias depois de o MST ocupar o terreno, em 14 de abril de 2018. Fazia um mês que a vereadora Marielle Franco tinha sido assassinada no Rio de Janeiro, crime que até hoje não foi esclarecido.

Desempregado, ele diz que tinha receio de integrar o movimento, mas acompanhou a esposa. Cortador de cana-de-açúcar desde os nove anos de idade, no estado onde nasceu, Alagoas, ele se mudou para Campinas em busca de emprego. A região é a mais rica de São Paulo, responsável por 8% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

“Morei numa favela. Depois de apontarem a arma na minha cabeça num assalto, vi que não dava mais pra ficar ali”, conta José. Dentro do acampamento, ele diz se sentir seguro.

A Eldorado Empreendimentos Imobiliários alega ser dona da área ocupada pelo MST em Valinhos, que fica na região metropolitana de Campinas. No terreno de 12 mil metros quadrados, hoje vivem cerca de 2,5 mil pessoas, que habitam as centenas de barracos de madeira organizados em 33 diferentes seções. No entorno, a maior parte dos terrenos virou condomínio com casas de alto padrão.

O ponto da ocupação em Valinhos não foi escolhido aleatoriamente. “A fazenda estava há 15 anos abandonada e era improdutiva. Essa Eldorado é uma empresa ligada à especulação imobiliária”, diz Patrícia, uma das lideranças do acampamento Marielle Vive.

“Não basta só distribuir terra”

O caso de Valinhos é considerado um dos mais complexos dentro do MST na atualidade. O movimento foi fundado em 1984, durante o primeiro encontro nacional de trabalhadores rurais que vinham lutando pela democratização da propriedade da terra, em Cascavel, no Paraná.

A fundação do MST veio após uma série de ocupações de terras feitas por camponeses e décadas de ditadura militar, em meio às Diretas Já, quando trabalhadores rurais começaram a defender a ideia de que sem reforma agrária não há democracia. Trinta e cinco anos depois, o MST segue alinhado com seu slogan inicial: lutar pela terra, reforma agrária e transformação social.

– Pode-se dizer que houve uma evolução do pensamento do MST. Não basta só distribuir terra, é preciso pensar um outro modelo de agricultura, que preserve o meio ambiente, seja agroecológico, que cuide das nascentes e de todos os recursos naturais – afirma Gilmar Mauro, dirigente nacional.

Desde a fundação do MST, 350 mil famílias ligadas ao movimento foram assentadas. Cerca de 90 mil estão em acampamentos pelo país, segundo o movimento, que hoje está organizado nas cinco regiões do país, em 24 estados.

– Para muitos, a busca pelo acompanhamento é a busca por sobrevivência. A crise econômica e política e o desemprego estão empurrando as pessoas para a pobreza – pontua Mauro.

Responsabilidades compartilhadas

Até montar o acampamento em Valinhos, o MST passou cinco meses se reunindo com moradores de 16 bairros pobres de cidades próximas. Cartazes espalhados pela vizinhança faziam o convite para discussões sobre reforma agrária, agricultura agroecológica, entre outros temas.

Foi assim que Luciana soube do movimento. “Eu tinha medo de entrar aqui, todo mundo tem muito preconceito”, diz ela sobre as impressões iniciais do acampamento em Valinhos.

Atualmente ela é uma das responsáveis pela segurança do local, onde mora com o marido, o filho de três anos e a mãe. “A gente alugava uma casa em Campinas. Não estava dando mais para pagar”, conta.

Entre os acampados os perfis são variados: pessoas em situação de rua, com carteira assinada, despejados, desempregados, subempregados. Há quem mantenha o barraco no local e passe dias fora trabalhando. “Isso é permitido desde que as pessoas cumpram as regras e tarefas que todos aqui têm”, justifica Patrícia.

Segundo as normas internas, toda família assume um compromisso dentro das responsabilidades compartilhadas, como serviços na cozinha coletiva, aulas para crianças e adultos e rondas de segurança. Qualquer tipo de agressão pode levar à expulsão.

“Combatemos a violência de gênero e trabalhamos para fortalecer a independência econômica e afetiva das mulheres”, afirma uma das lideranças.

A tensão no local é constante. Naquela tarde, um helicóptero da Polícia Militar (PM) voava baixo sobre o acampamento e observava a movimentação. Questionada pela agência alemã de notícias Deutsche Welle (DW), a PM disse se tratar de uma patrulha de rotina.

A reintegração de posse foi pedida pela Eldorado e transita na Justiça. Por enquanto, uma decisão determinou que a retirada das pessoas está vetada até fim de novembro. A Defensoria Pública estadual atua no caso. Entre os vários questionamentos feitos no processo está o uso anterior da área ocupada.

– O autor [Eldorado Empreendimentos] diz que havia um arrendamento, mas o documento trazido ao processo era um contrato vencido há muito tempo – afirma o defensor Allan Ramalho Ferreira.

Esse teria sido um dos motivos pelos quais a Justiça não concedeu a reintegração. “O Tribunal entendeu que, pela documentação que o autor forneceu, não estava clara a posse”, detalha o defensor. “Mais grave do que isso, a gente suspeita que, pelas provas colhidas, havia um total estado de abandono daquela propriedade, que não cumpria sua função social exigida pela legislação.”

À DW não conseguiu contato com a Eldorado Empreendimentos Imobiliários até o fechamento da reportagem.

Os membros do acampamento do MST dizem que querem ficar. O plano é transformar o terreno num centro de produção de alimentos saudáveis, com hortas e ervas medicinais. “Eu não tinha esse vínculo com a terra, mas aprendi aqui”, diz Luciana.

De acampamento a polo produtor

A 170 quilômetros de Valinhos, Iracema Mendes da Silva aposta na agroecologia em seu pequeno sítio em São José dos Campos. As hortaliças orgânicas que enchem os canteiros logo irão compor a merenda escolar na cidade. Silva comemora o contrato recente firmado com a prefeitura, apesar de ainda enfrentar obstáculos para a distribuição e a comercialização do que produz.

A história do sítio, dentro de um assentamento homologado do MST, começou com uma ocupação. A área pertencia a uma antiga fazenda considerada improdutiva, onde 600 famílias montaram um acampamento em 1999. Depois de várias batalhas judiciais, os lotes foram desapropriados; 63 famílias ficaram e começaram a produzir.

Valdir Martins está lá desde o começo. Filho de produtores rurais, ele entrou para o MST em 1996, andou por todo o Brasil numa marcha organizada pelo movimento no ano seguinte.

– Eu nunca usei agrotóxico – diz Martins sobre o cultivo de alimentos que mantém no terreno. Mais de 70 espécies crescem no solo recuperado com técnicas da agroecologia, no passado, gado e pastagem deixaram a área degradada.

As hortaliças e frutos que saem do sítio de Martins, que recebe visitantes do mundo todo interessados na prática agroecológica, são vendidos também numa feira orgânica semanal num bairro nobre de São José dos Campos.

– As pessoas tinham preconceito. Mas a gente lutou pela terra e agora produz alimento saudável para a população – conclui.

35 anos de controvérsias

Trinta e cinco anos após sua fundação, o MST segue dividindo opiniões no país. Em Valinhos, muitos se posicionam contra o movimento. “Acho que é coisa de gente que não gosta de trabalhar”, afirma uma entrevistada que prefere não ter o nome divulgado. “Acho errado invadir propriedade dos outros”, diz o companheiro da mulher.

Apesar do sentimento de rejeição que o movimento social desperta em muitos brasileiros, Henrique Tahan Novaes, pesquisador sobre o tema na Universidade Estadual Paulista (Unesp), considera que o MST foi bem-sucedido em alguns pontos nesses 35 anos.

– Ele recolocou a importância da questão agrária, posse e uso da terra, não só do ponto de vista da compreensão do fenômeno, mas principalmente através de lutas concretas contra o latifúndio improdutivo – pontua.

Rene Parren, que chegou da Holanda como padre e está entre os fundadores do MST, afirma que o movimento foi crucial para a distribuição de terras no país. “Mas é preciso sempre se reinventar diante dos desafios e vemos a agroecologia como uma questão importante”, opina.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *