Mulher é presa por falsidade ideológica e tentativa de estelionato no Rio

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 24 de outubro de 2019 as 13:54, por: CdB

Ela foi presa no interior de uma Administradora de Imóveis logo após firmar contrato de locação usando o nome falso de Joselina Almeida Duarte. 

Por Redação, com ACS e ABr – de Rio de Janeiro

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu em flagrante , na quarta-feira, a empresária e ex-chacrete Mary de Almeida da Costa Raad, conhecida como Dora Raad, de 60 anos, pelos crimes de falsidade ideológica e tentativa de estelionato.

Golpista é presa por falsidade ideológica e tentativa de estelionato
Golpista é presa por falsidade ideológica e tentativa de estelionato

Ela foi presa no interior de uma Administradora de Imóveis logo após firmar contrato de locação usando o nome falso de Joselina Almeida Duarte.

Segundo os agentes, um funcionário do local desconfiou de Mary e acionou a delegacia após reconhecê-la de uma visita anterior, quando a ex-chacrete se apresentou com outro nome, também diferente. No estabelecimento, ela foi abordada com o documento falso e a cópia do contrato assinado.

Na 77ª DP, foi confirmado que Mary possui 14 anotações criminais pela prática de crimes como estelionato, falsidade ideológica, falsificação de documento público, quadrilha ou bando e por manter casas de prostituição, sendo este último um dos delitos mais cometidos pela autora.

Operações da PM

Duas operações da Polícia Militar, em pontos diferentes do Rio de Janeiro, resultaram na morte de quatro pessoas e na apreensão de fuzis, pistolas e uma granada defensiva utilizada pelas Forças Armadas. Desde o início do ano, a PM apreendeu 440 fuzis.

Uma das ações ocorreu na Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, e resultou na morte de três criminosos e na apreensão de um fuzil, três pistolas e uma granada.

Em nota, a corporação informou que, na localidade conhecida como Bariri, as equipes foram atacadas a tiros por criminosos e houve confronto. “Após cessar o tiroteio, um foi encontrado ferido e foram apreendidos um fuzil, três pistolas, uma granada e drogas a serem contabilizadas”.

O ferido foi levado ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, onde morreu ao dar entrada no hospital. O 18º Batalhão da PM foi informado que duas pessoas feridas deram entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Cidade de Deus. As duas morreram após serem levadas por moradores para a unidade de saúde.

Pelas redes sociais, moradores da Cidade de Deus relataram o clima de tensão, logo nas primeiras horas da manhã. “Estamos saindo de casa para levar os filhos à escola, mas estamos impedidos de seguir, por causa do tiroteio”. Outra moradora pede para os policiais pararem de atirar, porque a pessoa caída no chão é morador e não tem ligação com o tráfico de drogas.

Morro do Juramento

A outra ação foi realizada pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, zona norte do Rio. A operação terminou com um criminoso morto, um fuzil e drogas apreendidos, além de drogas. Também houve uma operação com a participação do Bope, militares do batalhão de Rocha Miranda no morro da Serrinha, em Madureira. Nessa ação não houve prisões, feridos ou apreensões de armas ou drogas.

Comparsa de vereador é preso

Agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) juntamente com agentes da 54ªDP (Belford Roxo) realizaram, na quarta-feira, o cumprimento de mandado de prisão temporária do policial militar Weverson De Oliveira Marciano, indiciado pelo crime de tentativa de homicídio qualificado.

O crime ocorreu 15 de outubro, quando Weverson e seu comparsa, o vereador Marcinho Bombeiro, preso no dia 22, chegaram atirando contra três jovens que estavam fazendo churrasco na porta de casa.

De acordo com as investigações, o crime possui relação com outro homicídio ocorrido em 2017, pois uma das vítimas dessa tentativa de homicídio é irmã de um dos jovens que foi morto no crime de 2017.

Uma das linhas de investigação é que pode ter havido alguma vingança, pois a família da vítima procurou a Justiça e os autores foram denunciados pelo crime em setembro de 2019.

As investigações prosseguem para capturar os demais coautores do crime ocorrido em 2017 e para encerramento do inquérito policial referente aos crimes cometidos na semana passada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *