Mulheres afegãs protestam contra uso da burca

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 15 de setembro de 2021 as 11:28, por: CdB

Centenas de tuítes de mulheres residentes tanto no Afeganistão quanto no estrangeiro têm partilhado fotografias vestidas com as roupas coloridas, em sinal de protesto contra a burca escura que cobre todo o rosto e corpo da mulher afegã.

Por Redação, com Reuters – de Cabul

Não toquem nas minhas roupas é o slogan da campanha que está se tornando viral nas redes sociais contra a imposição talebã do uso da burca. As mulheres publicam uma fotografia vestidas com roupas coloridas, explicando que esses vestidos é que são os trajes tradicionais afegãos.

“Não toquem nas minhas roupas” é o slogan da campanha

A roupa tradicional afegã para mulheres inclui vestidos esvoaçantes coloridos que cobrem os tornozelos e pode também ter lenços cobrindo os cabelos.

É com esse estilo que as mulheres afegãs, em todo o mundo, se associaram a uma campanha online contra o uso da burca restaurada pelos talibãs.

O protesto na internet usa a linguagem das redes sociais, com hashtags e de seguida DoNotTouchMyClothes (NãoToquemNasMinhasRoupas).

Essa frase combinada com a fotografia, cria uma corrente agregadora para todas as pessoas que quiserem se associar à causa.

A jornalista da BBC Sana Safi foi das primeiras mulheres a engrossar o protesto.

Há 20 anos, a burca conservadora foi imposta pelos talebãs durante esse período. Esse código de vestuário está de volta com a nova fase política do país.

A campanha #DoNotTouchMyClothes já se tornou viral nas redes sociais.

Centenas de tuítes de mulheres residentes tanto no Afeganistão quanto no estrangeiro têm partilhado fotografias vestidas com as roupas coloridas, em sinal de protesto contra a burca escura que cobre todo o rosto e corpo da mulher afegã.

A campanha #DoNotTouchMyClothes foi iniciada por Roxana Bahar Jalali, historiadora afegã que fundou o primeiro programa acadêmico de Estudos de Gênero na Universidade Americana do Afeganistão.

Igualdade e integração

Em 2015, Jalali dizia que o objetivo desse curso era aumentar a consciência sobre o gênero como construção social, igualdade e integração nas diferentes culturas e especialmente no contexto do Afeganistão. O curso era dirigido a homens e mulheres para ganharem competências no reconhecimento do género na vida cotidiana.

– Nenhuma mulher jamais se vestiu assim na história do Afeganistão. Isso é totalmente estranho à cultura afegã. Publiquei uma foto minha com o traje tradicional afegão para informar, educar e dissipar a desinformação que está sendo propagada pelos talebãs – declarou Jalali à publicação India Times.

O desafio de Jalali inspirou muitas mulheres de origem afegã em todo o mundo.

– Esta é a cultura afegã. Este é o meu vestido tradicional – diz Assad. E acrescenta: “O nosso traje cultural não são as roupas de dementador (ser das trevas/alusão aos filmes de Harry Porter) que os talebãs querem que as mulheres usem”.

A frase #DoNotTouchMyClothes também é acompanhada por #AfghanistanCulture.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code