Mulheres indígenas reforçam pressão contra o marco temporal

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 8 de setembro de 2021 as 14:51, por: CdB

Cerca de 4 mil mulheres de 150 etnias realizam série de atividades para marcar posição contra as atrocidades do governo. Elas querem reflorestar o ambiente, não apenas com árvores, mas também com afetos e sentimentos.

Por Redação, com RBA – de Brasília

Começou na terça-feira em Brasília a Segunda Marcha Nacional das Mulheres Indígenas, organizada pela Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (Anmiga). O evento reúne 4 mil mulheres, de 150 povos, de todos os biomas brasileiros. Até sexta-feira, no espaço da Fundação Nacional de Artes (Funarte), elas realizarão uma série de atividades com o tema “Mulheres Originárias: reflorestando mentes para a cura da terra”.

Grito de liberdade: mulheres indígenas querem viver em suas terras sem medo de serem atacadas

Além disso, as mulheres também deve se unir ao demais indígenas que estão acampados na capital federal desde a semana passada. Eles acompanham o julgamento, no Supremo Tribunal Federal (STF), do chamado marco temporal.

Nesse sentido, elas são contrárias à proposta pretende limitar a demarcação de terras indígenas às áreas ocupadas no momento da promulgação da Constituição de 1988. De acordo com Christiane Julião, do povo Pankararu de Pernambuco, uma das organizadoras da marcha, as indígenas devem ocupar a Praça dos Três Poderes nesta quinta-feira, durante julgamento do STF.

– As mulheres vêm com esse grito de liberdade. A nossa independência é estar nos nossos territórios regularizados. E poder usufruir desses espaços. sem medo de morrer por uma bala ‘perdida’, ou ser capturado no mato pelos jagunços dos coronéis e dos fazendeiros – disse Christiane, em entrevista a Marilu Cabañas, para o Jornal Brasil Atual, nesta quarta-feira.

Reflorestar mentes

Sobre o tema da marcha, Christiane diz que é preciso reflorestar, literalmente, mas também simbolicamente. Primeiramente, como forma de mitigar os impactos do desmatamento, das queimadas e do garimpo ilegal. “Mas também é preciso reflorestar em afetos, sentimentos, emoções e acolhimentos”, defendeu.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code