Mutação do novo coronavírus aumenta chance de infecção, diz estudo

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de junho de 2020 as 14:06, por: CdB

Uma mutação específica do novo coronavírus pode aumentar consideravelmente sua capacidade de infectar células, de acordo com um estudo de pesquisadores dos Estados Unidos.

Por Redação, com Reuters – de Genebra

Uma mutação específica do novo coronavírus pode aumentar consideravelmente sua capacidade de infectar células, de acordo com um estudo de pesquisadores dos Estados Unidos.

Representação em impressão 3D do novo coronavírus
Representação em impressão 3D do novo coronavírus

A pesquisa pode explicar por que surtos iniciais em algumas partes do mundo não sobrecarregaram os sistemas de saúde tanto quanto outros surtos em Nova York e na Itália, de acordo com especialistas da Scripps Research.

A mutação, batizada de D614G, aumentou o número de “espigões” no coronavírus, parte do que lhe dá sua forma única. Estes espigões são o que permite ao vírus se ligar às células e infectá-las.

Os pesquisadores

– O número, ou densidade, de espigões funcionais no vírus é 4 ou 5 vezes maior devido a esta mutação – explicou Hyeryun Choe, um dos autores mais graduados do estudo.

Os pesquisadores dizem que ainda não se sabe se esta mutação pequena afeta a gravidade dos sintomas das pessoas infectadas ou se aumenta a mortalidade.

Os pesquisadores que realizam experimentos laboratoriais dizem que mais pesquisas, incluindo estudos controlados, amplamente considerados como um padrão-ouro dos testes clínicos, precisam ser feitas para confirmar suas conclusões de experimentos em tubos de ensaio.

Hospedeiros humanos

Pesquisas anteriores mostraram que o novo coronavírus SARS-CoV-2 está mudando e evoluindo à medida que se adapta aos hospedeiros humanos. A mutação D614G, em particular, foi assinalada como uma preocupação urgente porque parece estar emergindo como a mutação predominante.

Atualmente, o estudo da Scripps Research está sob análise da comunidade científica, e foi divulgado na última sexta-feira em meio a relatos sobre suas conclusões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *