Myanmar: mortes em protestos após golpe chegam a 149, diz ONU

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 16 de março de 2021 as 13:16, por: CdB

Braço das Nações Unidas responsável pelos direitos humanos divulgou nota sobre a situação em Myanmar. ONU também fez apelo para que junta militar pare de matar e prender manifestantes.

Por Redação, com Sputnik – de Yangon

Braço das Nações Unidas responsável pelos direitos humanos divulgou nota sobre a situação em Myanmar. ONU também fez apelo para que junta militar pare de matar e prender manifestantes.

ONU também fez apelo para que junta militar pare de matar e prender manifestantes

De acordo com informações da ONU publicadas em uma rede social nesta terça-feira, pelo menos 149 pessoas morreram em Myanmar desde o golpe de Estado no início de fevereiro.

O número de mortos está aumentando, 68 pessoas mortas desde o último sábado, e as prisões arbitrárias continuam. Estamos profundamente preocupados com a intensificação da repressão e conclamamos os militares a pararem de matar e deter os manifestantes.

A publicação foi feita pelo escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas. A agência denunciou ainda centenas de desaparecimentos, prisões arbitrárias e torturas.

Ainda segundo a ONU, 37 jornalistas foram presos no país, incluindo 19 que permanecem detidos. A agência concluiu o comunicado afirmando que foram confirmadas 39 mortes no domingo, dia mais letal desde o golpe, e mais 11 na segunda-feira.

O golpe em Myanmar

Alegando fraude nas eleições, generais derrubaram, no dia 1º de fevereiro, o governo de Myanmar e prenderam a líder do país, Aung San Suu Kyi, e o presidente Win Myint, além de outros políticos locais. O golpe pôs fim a seis anos de uma experiência democrática após mais de cinco décadas de ditadura militar.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code