Naomi Osaka diz que se sentiu ‘ingrata’ por sua atitude em relação ao tênis

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 19 de agosto de 2021 as 13:11, por: CdB

A quatro vezes campeã de torneios de Grand Slams disse que as restrições impostas devido à pandemia de covid-19 tornaram as coisas “muito estressantes” para ela, mas os recentes acontecimentos no Haiti e no Afeganistão levaram a uma mudança em sua perspectiva.

Por Redação, com Reuters – de Cincinnati, EUA

Naomi Osaka disse que por vezes se sentiu “ingrata” no ano passado por não valorizar totalmente sua vida como uma das melhores tenistas do mundo.

Naomi Osaka disse que por vezes se sentiu “ingrata” no ano passado por não valorizar totalmente sua vida

A número dois do mundo no tênis selou uma vitória de retorno sobre Coco Gauff no Western & Southern Open em Cincinnati na quarta-feira, seu primeiro evento fora da Olimpíada desde que se retirou do Aberto da França em maio.

Ela saiu de Roland Garros depois de ser punida por se recusar a dar entrevistas coletivas, dizendo que sua saúde mental foi prejudicada por certas linhas de questionamento.

Osaka derramou lágrimas e deixou rapidamente uma coletiva de imprensa em Cincinnati na segunda-feira quando questionada sobre seu relacionamento com a mídia e retornou ao tema na quarta.

– Estava me perguntando por que fui tão afetada, do tipo o que me fez não querer mídia – disse a jovem de 23 anos em uma coletiva de imprensa. “Então depois eu estava pensando em acordar todos os dias, por mim, eu deveria sentir que estou ganhando. Tipo, a escolha de ir lá e jogar, de ir ver os fãs, aquelas pessoas vêm me ver jogar, isso por si só é uma conquista”. “Não tenho certeza de quando ao longo do caminho comecei a dessensibilizar isso. Como se tivesse começado a não ser uma conquista para mim. Então me senti muito ingrata por esse fato.”

Grand Slams

A quatro vezes campeã de torneios de Grand Slams disse que as restrições impostas devido à pandemia de covid-19 tornaram as coisas “muito estressantes” para ela, mas os recentes acontecimentos no Haiti e no Afeganistão levaram a uma mudança em sua perspectiva.

Um terremoto de magnitude 7,2 matou mais de 2 mil pessoas no Haiti, país onde seu pai nasceu, enquanto o Afeganistão está em crise.

– Ver o estado do mundo, como tudo está no Haiti, Afeganistão agora, é definitivamente muito louco – disse ela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code