Negociações comerciais entre EUA e China ficam mais tensas

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 8 de outubro de 2019 as 10:51, por: CdB

Iniciativa do Departamento de Comércio dos EUA pode aprofundar as divisões em relação à China em um momento crítico da guerra comercial prolongada.

Por Redação, com Reuters – de Pequim

As perspectivas de progresso nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China diminuíram na segunda-feira, depois que Washington colocou empresas chinesas em sua lista negra devido ao tratamento de Pequim em relação a minorias étnicas predominantemente muçulmanas, e o presidente norte-americano Donald Trump disse que um acordo comercial rápido é improvável.

O presidente norte-americano, Donald Trump, insistiu que não ficará satisfeito com um acordo parcial com a China
O presidente norte-americano, Donald Trump, insistiu que não ficará satisfeito com um acordo parcial com a China

A iniciativa do Departamento de Comércio dos EUA pode aprofundar as divisões em relação à China em um momento crítico da guerra comercial prolongada, que abalou os mercados financeiros e provocou uma desaceleração na economia global.

Outro ponto de inflamação foi a crescente polêmica sobre o tuíte de uma autoridade da liga norte-americana de basquete NBA. O apoio dele aos protestos democráticos de Hong Kong foi repreendido pela NBA, provocando reação negativa.

Trump e seu principal assessor econômico, Larry Kudlow, falaram em termos otimistas sobre as discussões desta semana com a China — as primeiras negociações de alto nível em mais de dois meses — mas Trump insistiu que não ficará satisfeito com um acordo parcial.

– Achamos que há uma chance de podermos fazer algo muito substancial – disse Trump, referindo-se às negociações de alto nível agendadas para quinta-feira.

– Eu preferiria muito um grande acordo e acho que é isso que estamos buscando – completou.

Pressionado a detalhar as chances de progresso nesta semana, Trump mostrou-se mais cético.

– Alguma coisa pode acontecer? Acho que sim. Quem sabe. Mas acho que é improvável – disse ele.

O jornal oficial do Partido Comunista Chinês, o People’s Daily, disse nesta terça-feira que as negociações podem ocorrer de três jeitos: os dois lados alcançarem um acordo “justo”; as conversas desmoronarem completamente ou manter a situação de “conversar enquanto há retaliação”.

Setor de serviços da China cresceu no ritmo mais lento

O setor de serviços da China cresceu no ritmo mais lento em sete meses em setembro apesar do forte aumento nas novas encomendas, uma vez que as despesas operacionais continuaram a subir no final do terceiro trimestre, mostrou nesta terça-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit.

O PMI de serviços caiu a 51,3 no mês passado, nível mais fraco desde fevereiro, contra 52,1 em agosto. O índice permanece acima da marca de 50 que separa crescimento de contração desde o final de 2005.

A queda ficou em linha com o recuo no PMI oficial de serviços publicado pela Agência Nacional de Estatísticas. Também acompanha sinais de desaceleração geral neste ano.

Ainda de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras, novas encomendas por serviços cresceram em setembro no ritmo mais forte desde janeiro de 2018, diante de lançamentos de novos produtos e demanda mais forte.

Mas os custos operacionais chegaram à máxima de um ano devido ao aumento dos gastos trabalhistas e com combustíveis e matéria-prima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *