Nova York: prefeito de diz que falta de exames pode adiar reabertura

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 20 de abril de 2020 as 12:44, por: CdB

O prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, disse nesta segunda-feira que pode demorar semanas, senão meses, para a metrópole mais populosa dos Estados Unidos reabrir devido à falta de exames em grande escala.

Por Redação, com Reuters – de Nova York

O prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, disse nesta segunda-feira que pode demorar semanas, senão meses, para a metrópole mais populosa dos Estados Unidos reabrir devido à falta de exames em grande escala, apesar de as autoridades de outras localidades terem começado a revogar restrições à vida cotidiana.

Agentes de saúde fazem caminhada durante pausa no expediente em hospital de Nova York
Agentes de saúde fazem caminhada durante pausa no expediente em hospital de Nova York

De Blasio, cuja cidade está no epicentro da crise de coronavírus no país, disse que esta precisa estar realizando centenas de milhares de exames por dia e ver as hospitalizações diminuírem mais antes de reativar a economia.

– Poderíamos chegar lá, mas não conseguimos fazê-lo sem exames abrangentes, e até agora o governo federal ainda não conseguiu arranjar isso – disse De Blasio no programa “Morning Joe” da rede MSNBC, acrescentando que acabar com o distanciamento social cedo demais pode reativar o vírus.

– O governo federal, especialmente, precisa receber o memorando dizendo que isso ainda não acabou, e se você fingir que acabou só vai voltar e piorar tudo.

O alerta

O alerta de De Blasio sobre os exames ecoou comentários feitos por vários governadores durante o final de semana em que estes contestaram as afirmações do presidente Donald Trump, segundo o qual estes têm exames suficientes da covid-19, a doença respiratória causada pelo novo coronavírus.

Os EUA têm de longe o maior número de casos confirmados de coronavírus do mundo, são mais de 750 mil infecções e mais de 40,5 mil mortes, quase metade delas no Estado de Nova York, de acordo com uma contagem da agência inglesa de notícias Reuters.

As diretrizes de Trump para reativar a economia recomendam um registro estadual de 14 dias de recuo na quantidade de casos antes da suspensão gradual das restrições, mas o presidente republicano pareceu incentivar os manifestantes que querem reabrir mais cedo com uma série de tuítes publicados na sexta-feira pedindo-os que “llibertem” Michigan, Minnesota e Virgínia, todos Estados com governadores democratas.

Estima-se que 2,5 mil pessoas se reuniram no capitólio estadual de Olympia, em Washington, para protestar contra a ordem de confinamento domiciliar do governador democrata Jay Inslee, uma de várias manifestações.

Os moradores da Flórida

Os moradores da Flórida tiveram permissão de voltar a algumas praias depois que o governador, Ron DeSantis, aprovou o relaxamento de algumas restrições.

Charlie Latham, prefeito de Jacksonville Beach, disse que o primeiro final de semana de reabertura da praia com horário limitado correu bem, sem prisões de pessoas por violação das regras de distanciamento social, que incluem a proibição de cadeiras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code