Novas crises e o que é a classe política

Arquivado em: Destaque do Dia, Opinião, Últimas Notícias
Publicado domingo, 16 de junho de 2019 as 15:10, por: CdB

Foram 19 baixas no segundo escalão em menos de seis meses, esta semana foram embora o da comunicação do governo e o presidente dos Correios.  Este descalabro somado ao fenômeno do chamado “vaza chato”, que colocou em evidencia o papel político manipulador do judiciário, mostra que o caos está instaurado no atual governo. 

 

Por Maria Fernanda Arruda – do Rio de Janeiro

 

Rodrigo Maia definiu o governo como “uma usina de escândalos”, fora os três ministros trocados, o último (general Santos Cruz) deixando apreensivos aos militares, hoje caiu mais um quadro importante: o presidente do BNDES, Joaquim Levy.

Joaquim Levy foi ministro da fazenda da presidenta cassada Dilma Rousseff (PT)
Joaquim Levy foi ministro da fazenda da presidenta cassada Dilma Rousseff (PT)

Foram 19 baixas no segundo escalão em menos de seis meses, esta semana foram embora o da comunicação do governo e o presidente dos Correios.  Este descalabro somado ao fenômeno do chamado “vaza chato”, que colocou em evidencia o papel político manipulador do judiciário, mostra que o caos está instaurado no atual governo.

Bolsonaro até deu sinais hoje que não está 100% com Moro, se antecipando a ficar exposto ante novas provas.

Economistas

O caso do Levy , demitido do BNDES chama atenção; se olhamos seu histórico podemos observar como , basicamente, não existe diferença de orientação econômica nos governos do Brasil e que estes cargos são ocupados por diretores de grandes bancos e entidades financeiras.

Quem faz parte da classe política que cuida das finanças no Brasil?

Eles são economistas que participam das presidências de grandes bancos, dos governos chamados “progressistas” ou de “centro esquerda” e também dos de “ultra direita” ou “neo liberais”.

Os exemplos são muitos:

O homem que detonou a crise no BNDES se chama, Barbosa Pinto . Ele foi chefe de gabinete de Demian Fiocca, na presidência do BNDES, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Ele também foi sócio na Gávea Investimentos, gestora de recursos fundada pelo ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, e foi diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Doria

O Henrique Meireles outro personagem que está presente em todas. Foi presidente do Banco de Boston, passa a ser presidente do Banco Central no governo Lula, depois ministro da fazenda do governo Dilma e agora ministro de economia do governo Doria em São Paulo.

Joaquim Levy foi presidente do Bradesco, diretor financeiro do Banco Mundial, ministro de finanças de Dilma e agora presidente do BNDES do Bolsonaro.

Luta segue!

Maria Fernanda Arruda é escritora e articulista do Correio do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *