Novas tarifas dos EUA sofrerão retaliações da UE, diz ministro alemão

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 4 de outubro de 2019 as 11:01, por: CdB

Os Estados Unidos obtiveram aprovação nesta quarta-feira para impor tarifas de importação sobre bens europeus no valor de US$ 7,5 bilhões.

Por Redação, com Reuters – de Berlim

A União Europeia deve tomar medidas retaliatórias em resposta às novas tarifas norte-americanas sobre produtos europeus, disse o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, a jornais, em declarações publicadas nesta sexta-feira.

– A União Europeia agora terá que reagir e, depois de obter a aprovação da Organização Mundial do Comércio, provavelmente também vai impor tarifas punitivas – disse Maas, membro dos social-democratas da coalizão da Alemanha, ao grupo de jornais Funke.

OMC determinou nesta semana que alguns subsídios pagos pelos membros da UE à fabricante de aviões Airbus eram ilegais
OMC determinou nesta semana que alguns subsídios pagos pelos membros da UE à fabricante de aviões Airbus eram ilegais

Mais tarde, Maas adotou a mesma linha no Twitter e acrescentou: “A Europa está unida nessa questão. Continuamos prontos para negociar regras comuns para subsídios no setor de aviação. Ainda podemos evitar mais danos”.

A OMC determinou nesta semana que alguns subsídios pagos pelos membros da UE à fabricante de aviões Airbus eram ilegais, dando aos Estados Unidos o direito de reagir com tarifas sobre mercadorias importadas do bloco.

Os Estados Unidos obtiveram aprovação nesta quarta-feira para impor tarifas de importação sobre bens europeus no valor de US$ 7,5 bilhões, devido a subsídios ilegais da União Europeia (UE) concedidos à Airbus, ameaçando desencadear uma guerra comercial transatlântica num momento em que a economia global patina.

A decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) empurra uma disputa corporativa de 15 anos sobre o apoio ilegal a gigantes de aviões para o centro das cáusticas relações comerciais do mundo e vem na esteira de uma guerra tarifária entre Washington e Pequim.

Em resposta, os Estados Unidos pretendem impor novas tarifas de 10% sobre aeronaves e de 25% sobre bens agrícolas e industriais e outras mercadorias europeias a partir de 18 de outubro, disse uma autoridade do escritório do Representante de Comércio dos EUA (USTR, na sigla em inglês).

A autoridade descreveu a decisão como uma “vitória significativa” para os Estados Unidos. Mas as tarifas das aeronaves não se aplicariam às peças dos aviões, poupando as operações de montagem da Airbus no Alabama de custos mais altos e protegendo as peças europeias utilizadas pela fabricante de aviões norte-americana Boeing.

Os árbitros da OMC disseram que a Boeing havia perdido o equivalente a US$ 7,5 bilhões por ano em vendas e interrupção nas entregas de algumas de suas maiores aeronaves por causa de empréstimos baratos do governo europeu para a rival Airbus.

A decisão, confirmando um número divulgado pela Reuters na semana passada, permite a Washington atingir o mesmo valor de produtos da UE, mas impede qualquer retaliação contra os serviços financeiros europeus.

Também é parte de uma disputa de mão dupla que diplomatas e especialistas em comércio esperam que leve a tarifas retaliatórias da UE contra bens dos EUA no próximo ano devido a subsídios estatais à Boeing.

O ministro das Finanças da Alemanha, Olaf Scholz, também social-democrata, disse na quinta-feira que a Europa deve reagir com prudência, já que os conflitos comerciais em um mundo globalizado não são interessantes para ninguém.

Na quinta-feira, os mercados acionários asiáticos recuaram uma vez que os temores do mercado sobre o crescimento global foram ampliados pelo anúncio dos Estados Unidos de novas tarifas de importações sobre produtos da União Europeia.