O pesadelo que Saddam Hussein trouxe está terminando, diz Casa Branca

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado sexta-feira, 11 de abril de 2003 as 15:17, por: CdB

“O regime acabou”. Com estas palavras, a Casa Branca manifestou oficialmente, pela primeira vez, que considera o governo de Saddam Hussein deposto.

“Não há dúvida de que o regime perdeu o controle e que o fim do regime representa um grande ponto de virada para o povo do Iraque”, declarou o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, nesta sexta-feira.

Do ponto de vista militar, o comunicado não tem tanto peso. A guerra continua, observou Fleischer, salientando que forças iraquianas ainda detêm o controle de algumas áreas, enquanto tropas norte-americanas varrem a maior parte do país.

Entretanto, do ponto de vista político, o anúncio é expressivo porque o governo do presidente George W. Bush prometera assumir o fardo de garantir serviços básicos e de segurança tão logo o regime de Saddam fosse deposto.

Dentro desta perspectiva, uma nova Autoridade Interina Iraquiana estaria apta a dar conta de suas responsabilidades.

Na última quinta-feira (10), em pronunciamento gravado e dirigido aos iraquianos, o presidente Bush disse: “O pesadelo que Saddam Hussein trouxe à nação de vocês em breve estará terminado”.

No mesmo vídeo, Bush prometeu que, uma vez encerrado o regime, “as forças da coalizão vão manter a lei e a ordem, de modo que os iraquianos possam viver com segurança”.

Horas antes do anúncio de Fleischer, o general Tommy Franks, chefe do Comando Central dos Estados Unidos, afirmou que Saddam e seu regime “ou estavam mortos, ou estavam correndo como o inferno”.

Todas as afirmações referentes ao fim do governo de Saddam elevam a pressão sobre os próprios Estados Unidos e seus parceiros na coalizão que invadiu o Iraque para que restabelecem a segurança no momento em que as maiores cidades do país são alvo de saques em massa.

Notando que não queria justificar os saques e a falta de ordem, Fleischer disse acreditar que a maior parte dos distúrbios envolveu prédios do governo e propriedades particulares de figuras destacadas do regime de Saddam – e isso, acrescentou, era de se esperar, em virtude da repressão e da tortura praticadas pelo presidente.