O rojão Bolsonaro deu chabú

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 27 de maio de 2019 as 16:04, por: CdB

Bolsonaro fez o de sempre: piorou o que já estava ruim. Tentou obscurecer a imagem das belas manifestações dos estudantes contra o destruição da Educação lavada a cabo pelos sinistros ministros olavetes mas acabou por reavivá-las, o mais desfavoravelmente possível para si. Fracassou rotundamente.

Por Celso Lungaretti, de São Paulo:
O tiro saiu pela culatra

As avaliações da mídia são quase todas no sentido de que a balbúrdia dominical dos feios, sujos e malvados no máximo igualou numericamente os protestos estudantis.

Mas, seu espectro era muito mais amplo e tinha o próprio presidente da República fazendo proselitismo descarado. Igualar, nessas condições, equivale a perder de goleada.
De resto:
— expôs fraturas significativas nas forças de apoio ao bolsonarismo;
— fez soar os mais estridentes alarmes no Congresso Nacional e no STF, que tendem a doravante colocar cada vez mais pedras no caminho de quem já vinha colecionando derrotas aos montes;
— impulsionou um aumento expressivo das dúvidas nos círculos decisórios (até quando o poder econômico continuará pacientemente aguardando a entrega da contrapartida que exigiu de Bolsonaro para conduzi-lo poder?); e

— reforçou a convicção, esposada por contingentes cada vez maiores de brasileiros, de que o verdadeiro objetivo desse caótico governo é golpista, na linha da fracassada tentativa de Jânio Quadros em 1961, quando tentou esvaziar os outros Poderes e acabou sendo por eles esvaziado.

O sucesso dos direitistas nas ruas durante a campanha pelo impeachment de Dilma Rousseff se deveu, basicamente, à desastrosa política econômica por ela adotada, causadora de uma aguda recessão; e ao antipetismo insuflado dia e noite pela indústria cultural.

Fora Dilma! era uma palavra de ordem simples, clara e agregadora, pois vinha ao encontro de um sentimento compartilhado por muitos.Já a micareta deste domingo atirava em direções demais (a favor da reforma da Previdência e do pacote anti-crime do Sérgio Moro; defendendo o indefensável governo do pior presidente brasileiro de todos os tempos; tentando intimidar a imprensa; atacando ministros do Supremo; hostilizando estudantes, professores, a intelligentsia como um todo e toda e qualquer manifestação de vida inteligente; satanizando o Rodrigo Maia; descendo o pau no MBL, etc.) .Errou todos os alvos, menos o pé do Bolsonaro, que deve estar com mais furos do que uma peneira…

Há algumas semanas coloquei em questão se o homem da arminha conseguiria manter-se à testa do governo durante, pelo menos, os 200 dias que o homem da vassoura aguentou antes de despencar; foi, contudo, mais como zombaria e sarcasmo, pois não consigo levar a sério isso que está aí.

Começo agora a crer que a profecia poderá tornar-se realidade.
Celso Lungaretti, jornalista e escritor,  foi resistente à ditadura militar ainda secundarista e participou da Vanguarda Popular Revolucionária. Preso e processado, escreveu o livro Náufrago da Utopia (Geração Editorial). Tem um ativo blog com esse mesmo título.

Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *