OMS diz que não é hora de relaxar diante da covid-19, apesar de notícias sobre vacinas

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 16 de novembro de 2020 as 14:26, por: CdB

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta segunda-feira que não é hora de relaxar no combate ao coronavírus, apesar das notícias positivas sobre possíveis vacinas.

Por Redação, com Reuters – de Genebra/Londres

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta segunda-feira que não é hora de relaxar no combate ao coronavírus, apesar das notícias positivas sobre possíveis vacinas.

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus

– Neste momento, estamos extremamente preocupados com a disparada de casos de #Covid19 que estamos vendo em alguns países – tuitou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta segunda-feira.

– Particularmente na Europa e nas Américas, #profissionaisdesaúde e sistemas de saúde estão se aproximando do limite.

Mais de 54,44 milhões de pessoas foram infectadas pelo coronavírus em todo o mundo, e 1.318.042 já morreram, de acordo com uma contagem da agência inglesa de notícias Reuters.

Infecções foram relatadas em mais de 210 países e territórios desde que os primeiros casos foram identificados na China em dezembro de 2019.

Reino Unido

O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, disse nesta segunda-feira que, mesmo que o progresso com a vacina contra covid-19 seja feito o mais rápido possível, a maioria dos britânicos não será vacinada até o próximo ano.

– Mesmo que isso aconteça o mais rápido possível, a grande maioria das pessoas estará, esperamos, se vacinando no ano novo – disse Hancock à Sky News.

Ele afirmou que o governo está trabalhando duro para lançar a vacina quando ela estiver disponível, acrescentando que as diferentes administrações em todo o Reino Unido esperam chegar a um acordo sobre um conjunto de regras para que as pessoas possam se reunir no Natal.

– Estamos trabalhando para tornar o Natal o mais normal possível – acrescentou ele.