OMS diz que EUA, Brasil e Índia têm como lidar com a pandemia

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 23 de julho de 2020 as 14:38, por: CdB

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta quinta-feira que Estados Unidos, Brasil e Índia, que estão sofrendo aumentos rápidos nos casos de coronavírus, ainda podem superar a pandemia.

Por Redação, com Reuters – de Genebra

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta quinta-feira que Estados Unidos, Brasil e Índia, que estão sofrendo aumentos rápidos nos casos de coronavírus, ainda podem superar a pandemia.

Pessoas com máscaras faciais caminham em rua de comércio popular em São Paulo
Pessoas com máscaras faciais caminham em rua de comércio popular em São Paulo

São “países poderosos, capazes e democráticos que têm tremendas capacidades internas para lidar com esta doença”, disse Mike Ryan, chefe do programa de emergências da OMS, em um briefing em Genebra.

Os casos de coronavírus nos EUA ultrapassaram os 4 milhões nesta quinta-feira, com mais de 2,6 mil novos casos registrados a cada hora, em média, a taxa mais alta do mundo, de acordo com uma contagem da agência inglesa de notícias Reuters.

O Brasil registrava na quarta-feira 2.227.514 casos de covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde.

Expectativa de vacinação

Pesquisadores estão fazendo um bom progresso no desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, com alguns estudos em estágio avançado, mas o uso não é esperado até o início de 2021, disse um especialista da Organização Mundial da Saúde (OMS) na quarta-feira.

A OMS está trabalhando para garantir uma distribuição justa das vacinas, mas neste meio tempo é essencial conter a disseminação do vírus, disse Mike Ryan, chefe do programa de emergências da OMS, já que os casos novos diários estão quase em níveis recordes em todo o mundo.

– Estamos fazendo um bom progresso – disse Ryan, observando que várias vacinas já estão em testes de Fase 3 e que até agora nenhuma fracassou em termos de segurança ou capacidade de provocar uma reação imunológica.

– Realisticamente, só na primeira parte do próximo ano começaremos a ver as pessoas serem vacinadas – disse Ryan em um evento público nas mídias sociais.

A OMS está empenhada em ampliar o acesso a possíveis vacinas e a ajudar a aumentar a capacidade produtiva, acrescentou.

– E precisamos ser justos nisto, porque este é um bem global. Vacinas para esta pandemia não são para os ricos, não são para os pobres, são para todos.

O governo dos Estados Unidos pagará US$ 1,95 bilhão  por 100 milhões de doses de uma vacina contra covid-19 que está sendo desenvolvida pela Pfizer e pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech se esta se mostrar segura e eficiente, disseram as empresas.

Ryan também alertou as escolas a serem cautelosas com reaberturas até a transmissão comunitária da covid-19 estar sob controle.

O debate norte-americano sobre a retomada das aulas se intensificou agora que a pandemia está se alastrando em dezenas de Estados.

– Temos que fazer todo o possível para levar nossas crianças de volta à escola, e a coisa mais eficiente que podemos fazer é deter a doença em nossa comunidade – disse. “Porque se você controla a doença na comunidade, pode abrir as escolas.”