OMS reconhece surgimento de evidências sobre transmissão do coronavírus pelo ar

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 7 de julho de 2020 as 14:48, por: CdB

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu nesta terça-feira “evidências emergentes” de transmissão pelo ar do novo coronavírus, depois que um grupo de cientistas cobrou o organismo global a atualizar suas orientações sobre como a doença respiratória se espalha.

Por Redação, com Reuters – de Genebra

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu nesta terça-feira “evidências emergentes” de transmissão pelo ar do novo coronavírus, depois que um grupo de cientistas cobrou o organismo global a atualizar suas orientações sobre como a doença respiratória se espalha.

Imagem criada por computador do novo coronavírus
Imagem criada por computador do novo coronavírus

Em uma entrevista em Genebra, a especialista da OMS Benedetta Allegranzi disse que a organização acredita que a transmissão aérea “é uma possibilidade entre os modos de transmissão” do novo vírus.

Peste bubônica

Um aparente surto de peste bubônica na China está sendo “bem administrado” e não é considerado um risco alto, disse uma autoridade da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira.

As autoridades locais da cidade de Bayan Nur, na região chinesa da Mongólia Interior, emitiram um alerta no domingo, um dia depois que um hospital relatou um caso de suspeita de peste bubônica. A ocorrência sucedeu quatro casos de peste em novembro de 2018, incluindo dois de peste pneumônica, uma variante mais letal.

– Estamos monitorando os surtos na China, estamos observando isso de perto e em parceria com as autoridades chinesas e as autoridades da Mongólia – disse a porta-voz da OMS Margaret Harris em coletiva de imprensa em Genebra.

– No momento, não estamos considerando o risco, mas estamos de olho, monitorando-o com cuidado – acrescentou.

A peste bubônica, conhecida como “peste negra” na Idade Média, é uma doença altamente contagiosa e frequentemente fatal que se prolifera principalmente por roedores. Casos da doença não são incomuns na China, embora estejam se tornando cada vez mais raros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *