ONU critica política do governo Bolsonaro para o Meio Ambiente e a Amazônia

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020 as 15:51, por: CdB

Em relação ao Brasil, Bachelet apontou “retrocessos significativos de políticas para proteger o meio ambiente e os direitos dos povos indígenas”, sob o presidente Jair Bolsonaro.

Por Redação, com agências internacionais – de Genebra

Chefe de direitos humanos da ONU, a ex-presidente chilena Michelle Bachelet acusou o Brasil e os Estados Unidos de “reverter” a proteção ambiental, ao mesmo tempo em que elogiou a União Europeia (UE) por tomar “ações ambiciosas” para reduzir as emissões.

Denúncia será entregue diretamente à Alta Comissária Michelle Bachelet

— A proteção do meio ambiente é fundamental para o gozo de todos os direitos humanos. Os EUA estão (…) revertendo as proteções ambientais, inclusive para cursos de água e pântanos. Poluentes não tratados agora podem ser despejados diretamente em milhões de quilômetros de córregos e rios, colocando em risco ecossistemas, água potável e saúde humana — disse Michelle Bachelet ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra.

Migração

No ano passado, o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, revogou os regulamentos hidroviários adotados por seu antecessor Barack Obama, em uma medida amplamente condenada por conservacionistas, mas celebrada por agricultores e incorporadores.

Bachelet explicou que medidas para enfraquecer os padrões de emissão de combustível e diminuir a regulamentação sobre as indústrias de petróleo e gás nos EUA sob Trump “também podem prejudicar os direitos humanos”.

A chefe de direitos humanos da ONU também questionou os EUA sobre suas políticas de migração, dizendo que “levantam preocupações significativas sobre direitos humanos”.

— Reduzir o número de pessoas que tentam entrar no país não deve ser desconsiderado as proteções de asilo e de migrantes. A situação das crianças detidas é uma preocupação particular — acrescentou.

Bolsonaro

Em relação ao Brasil, ela apontou “retrocessos significativos de políticas para proteger o meio ambiente e os direitos dos povos indígenas”, sob o presidente Jair Bolsonaro. Cético das mudanças climáticas, o mandatário neofascista brasileiro tem sido amplamente criticado por diminuir as restrições à exploração das vastas riquezas da Amazônia, levando ao desmatamento acelerado da floresta tropical.

Em contrapartida, Bachelet deu as boas-vindas à “liderança” da UE em meio ambiente através da adoção de um plano de “Acordo Verde” para financiar seu objetivo de tornar o bloco neutro em carbono até 2050.

— (O acordo) combina ações ambiciosas na UE com uma forte dimensão de ação externa, envolvendo tanto a diplomacia climática quanto a ajuda à cooperação verde. A implementação deste plano promoverá bastante o desfrute do direito a um ambiente saudável, e eu incentivo medidas sociais fortes para garantir que apenas as transições não deixem ninguém para trás — concluiu Bachelet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *