Opep e Rússia avaliam novo corte na produção de petróleo devido ao surto

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 3 de março de 2020 as 19:11, por: CdB

Os comentários do executivo Leonid Fedun, nos bastidores da apresentação da estratégia de baixo carbono da companhia, sugerem que a Rússia pode estar disposta a aceitar com a proposta da Opep por mais restrições à oferta em meio à epidemia de coronavírus.

 

Por Redação, com Reuters – de Moscou

Uma proposta da Opep para cortes adicionais de produção de até 1 milhão de barris por dia seria suficiente para equilibrar o mercado de petróleo e impulsionar os preços para US$ 60 por barril, disse à agência inglesa de notícias Reuters o vice-presidente da petroleira russa Lukoil, Leonid Fedun.

Líderes da Opep questionam se novo coronavírus poderá influir no volume produzido de petróleo
Líderes da Opep questionam se novo coronavírus poderá influir no volume produzido de petróleo

Os comentários do executivo, nos bastidores da apresentação da estratégia de baixo carbono da companhia, sugerem que a Rússia pode estar disposta a aceitar com a proposta da Opep por mais restrições à oferta em meio à epidemia de coronavírus.

Rússia

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e parceiros incluindo a Rússia, um grupo conhecido como Opep+, se reunião em Viena em 5 e 6 de março para discutir medidas adicionais para apoiar o mercado de petróleo devido aos impactos do vírus sobre a demanda.

A Opep, inicialmente, havia sugerido um corte de 600 mil bpd para levantar os preços, o que se somaria aos cortes atuais de 1,7 milhão de bpd acertados em um pacto que deve ser prorrogado quando expirar, ao final deste mês. Mas depois a Opep propôs cortes maiores, de 1 milhão de bpd, embora a Rússia ainda tenha que dar sua posição sobre qualquer um dos cortes.

— O coronavírus é um fator de curto prazo que está afetando os preços do petróleo. Haverá uma reunião da Opep (e de não membros), medidas de compensação serão tomadas, isso irá tirar o excesso de petróleo do mercado e o preço vai se recuperar — disse Fedun.

‘Cisnes negros’

Ainda segundo o executivo, ”os cortes (conjuntos) de entre 600 mil bpd e 1 milhão de bpd seriam suficientes para equilibrar o mercado, atingido por ‘cisnes negros’ como o coronavírus”.

— Isso é o suficiente para o petróleo se recuperar para US$ 60 por barril — acrescentou.

Os preços do petróleo Brent caíram de uma máxima de 71,75 dólares em janeiro para mínima no ano de US$ 48,40 na segunda-feira por preocupações com o impacto do vírus sobre a demanda global.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *