Operação na Bacia do Rio Guandu fecha indústria de confecção

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020 as 13:03, por: CdB

A empresa de confecção de vestuário Citycol, em Queimados, na Baixada Fluminense, foi autuada, nesta quinta-feira, por lançar efluente no meio ambiente sem o devido tratamento.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

A empresa de confecção de vestuário Citycol, em Queimados, na Baixada Fluminense, foi autuada, nesta quinta-feira, por lançar efluente no meio ambiente sem o devido tratamento. De acordo com o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), foram lacradas as caixas de energia, paralisadas as operações da tinturaria e feito o tamponamento da saída de água da estação de tratamento da empresa.

Empresa lançava efluentes sem tratamento adequado no rio
Empresa lançava efluentes sem tratamento adequado no rio

A autuação ocorreu durante operação nesta manhã da Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) e do Inea, com apoio do Comando de Polícia Ambiental, no distrito industrial de Queimados, na Bacia do Rio Guandu, para vistoriar empreses que atuam no polo industrial.

O Inea informou que foram lavrados um auto de constatação, um auto de medidas cautelares e uma notificação contra a empresa.

Fiscalização

A operação de fiscalização, deflagrada nesta quinta-feira, em Queimados, vistoria as indústrias que funcionam nesse polo industrial e tenta identificar despejo de efluentes sem tratamento no Rio Guandu. Estão envolvidos na ação, agentes da Superintendência Integrada de Combate aos Crimes Ambientais, da Seas, e técnicos das Diretorias de Licenciamento Ambiental; de Pós-Licença; e de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental, do Inea.

Os técnicos do Inea fazem a coleta de amostras de água na saída das Estações de Tratamento de Efluentes (ETE) das indústrias da região. Ao mesmo tempo, outros sobrevoam a região com o objetivo de rastrear possível lançamento de esgoto industrial sem tratamento no Rio Guandu. Por terra, equipes fazem o cerco para flagrar e punir a prática irregular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *