Operação cumpre mandados de prisão contra foragidos e detentos em Goiás

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Polícia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 17 de outubro de 2022 as 13:03, por: CdB

A operação pretende combater facções criminosas, tráfico de drogas e armas, delitos de furto, roubo e receptação de cargas e valores, lavagem e ocultação de bens, direitos e valores, entre outros crimes. Segundo a Polícia Federal, a megaoperação pode ser considerada a maior do país com esse objetivo.

Por Redação, com ABr – de Brasília

A Força-Tarefa de Segurança Pública de Goiás (FTSP/GO) foi às ruas, nesta segunda-feira, com a Operação Receptio II. Integrada pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Departamento Penitenciário Nacional, Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Penal, a megaoperação pode ser considerada a maior até então deflagrada em âmbito nacional, com o objetivo de prender criminosos e cumprir mandados de prisão.


A Força-tarefa da Segurança Pública de Goiás (FTSP-GO) começou uma megaoperação

Mandados de prisão

A partir de levantamentos em bancos de dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Polícia Federal, da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária de Goiás (DGAP) e demais sistemas disponíveis, e após o cruzamento de informações obtidas em diligências, foi detectado que cerca de 549 mandados de prisão de foragidos da Justiça ou condenados aguardam detenção em razão da prática de crimes como homicídio, latrocínio, roubo, tráfico de drogas, estupro e crime organizado.

“O objetivo da operação é integrar as forças de segurança pública federal e estadual, de modo a intensificar, em caráter especial e dedicado, o enfrentamento e a desarticulação das organizações e associações criminosas, em ações de combate às ameaças à ordem e à segurança pública, particularmente no combate às facções criminosas, ao tráfico de drogas e armas, aos delitos de furto, roubo e receptação de cargas e valores, à lavagem e ocultação de bens, direitos e valores e demais crimes conexos”, informou a PF, em nota.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *