Operação busca prender acusados de integrar milícia no Rio

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 20 de dezembro de 2018 as 10:42, por: CdB

De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro(MPRJ), que também participa da ação, o grupo controla várias comunidades da Zona Oeste da cidade do Rio e da Baixada Fluminense.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Cerca de 97 acusados de integrar uma das principais milícias do Rio de Janeiro são alvos de uma grande operação realizada nesta quinta-feira pelas Forças Armadas e pela Polícia Civil em 23 bairros da capital Fluminense. De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro(MPRJ), que também participa da ação, o grupo controla várias comunidades da zona oeste da cidade do Rio e da Baixada Fluminense.

Operação no Rio busca prender 97 acusados de integrar milícia

A milícia é, segundo o MPRJ, comandada por Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko. O grupo, que controla comunidades como as do Aço, Rodo e Antares de Três Pontes, na Zona Oeste, continua expandindo seus territórios pelo estado.

Entre os alvos estão suspeitos de trabalhar como auxiliares diretos de Ecko e integrantes do braço armado do grupo, que é responsável por extorquir comerciantes e moradores e por ameaçar vítimas e desafetos.

Segundo o MPRJ, o grupo cobra uma chamada “taxa de segurança” que moradores, ambulantes e comerciantes são obrigados a pagar sob risco de agressões e assassinatos. Além dos 97 mandados de prisão preventiva, também estão sendo cumpridos 296 de busca e apreensão.

Cerca de 200 policiais civis e 1,7 mil militares das Forças Armadas participaram da ação.

Busca e apreensão na Ancine

Agentes da Polícia Federal (PF) fizeram na quarta-feira uma operação de busca e apreensão de documentos na sede da Agência Nacional de Cinema (Ancine), no centro do Rio. A investigação é do Ministério Público Federal (MPF) e está sob sigilo.

A Ancine se pronunciou, em nota distribuída pelo Ministério da Cultura (MinC), informando que não sabia os detalhes da operação, mas que se colocava à disposição da Justiça para contribuir com a investigação.

– Em relação à operação de busca e apreensão realizada nesta quarta-feira pela Polícia Federal em dependências da Agência Nacional de Cinema, o Ministério da Cultura informa que: 1) Está à disposição da Polícia Federal e da Justiça para compartilhar informações e contribuir com a investigação. 2) Até o momento não está a par de detalhes da operação. Assim que notificado oficialmente, tomará as medidas cabíveis na esfera administrativa. 3) Reitera seu compromisso com a ética, a integridade e a transparência na administração pública.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *