Operação prende quadrilha que mandava drogas para a Alemanha

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 23 de junho de 2020 as 13:36, por: CdB

Policiais federais cumpriram, nesta terça-feira, simultaneamente em Recife, Rio Branco, Fortaleza e São Bernardo do Campo (SP), 10 mandados de prisão temporária e 11 de busca e apreensão.

Por Redação, com ABr – de Brasília

Policiais federais cumpriram, nesta terça-feira, simultaneamente em Recife, Rio Branco, Fortaleza e São Bernardo do Campo (SP), 10 mandados de prisão temporária e 11 de busca e apreensão. A ação faz parte da Operação Estatueta, que apreendeu três veículos e bloqueou contas bancárias de nove pessoas físicas e jurídicas.

Estão sendo cumpridos 10 mandados de prisão e 11 busca e apreensão
Estão sendo cumpridos 10 mandados de prisão e 11 busca e apreensão

Os agentes também sequestraram seis imóveis em Pernambuco. Todas as medidas cautelares foram expedidas pela 13ª Vara da Justiça Federal de Pernambuco.

As investigações foram iniciadas em 2018. O grupo traficava cocaína na fronteira do Brasil com a Bolívia e enviava para a Alemanha, escondendo a droga dentro de estatuetas, por isso o nome da operação.

A organização criminosa lavava o dinheiro do tráfico adquirindo imóveis na região metropolitana do Recife. Um dos 10 integrantes do bando está preso desde 2018, quando foi flagrado com 11,6 quilos de cocaína, no Presídio Francisco D’Oliveira Conde, em Rio Branco. Ele transportava a droga em um ônibus de Rio Branco para Porto Velho.

Os líderes da quadrilha

Os líderes da quadrilha moram na região metropolitana do Recife, e um deles é um alemão, casado com uma brasileira. Outro integrante da quadrilha é ex-policial, com passagem pela polícia por tráfico de drogas.

Pela prática dos crimes de associação e tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e constituir/integrar organização criminosa, as penas, somadas, em caso de condenação, podem chegar a 65 anos de reclusão. Segundo a Polícia Federal, levados em conta apenas os valores declarados no registro dos imóveis, os bens apreendidos ultrapassam a quantia de R$ 5 milhões.