Órgão europeu alerta companhias aéreas de possíveis ataques na Síria

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 11 de abril de 2018 as 14:11, por: CdB

A organização, cuja função é harmonizar e integrar os serviços de navegação aérea na Europa para conseguir um trânsito seguro, acrescenta em uma nota divulgada

Por Redação, com EFE – de Genebra:

A Eurocontrol, organização europeia para a segurança na navegação aérea, emitiu nesta quarta-feira um “alerta rápido” às companhias aéreas no Mediterrâneo Oriental devido a possíveis ataques aéreos na Síria com mísseis nas próximas 72 horas.

A organização, cuja função é harmonizar e integrar os serviços de navegação aérea na Europa para conseguir um trânsito seguro

A organização, cuja função é harmonizar e integrar os serviços de navegação aérea na Europa para conseguir um trânsito seguro; acrescenta em uma nota divulgada no seu sute; que as companhias aéreas devem levar esse alerta em conta ao planejar suas operações de voo nessa área do Mediterrâneo.

Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu na segunda-feira responder “contundentemente”; ao suposto ataque químico na cidade síria de Duma, próxima a Damasco; que deixou dezenas de mortos e centenas de feridos, segundo várias ONGs.

Trump acrescentou que tomará uma decisão nas próximas horas sobre possíveis represálias contra o governo sírio.

ONU

Essa decisão está sendo consultada com a França e o Reino Unido; que também insistiram na terça-feira, no Conselho de Segurança convocado de urgência por este caso, na necessidade de atuar; uma vez que a Rússia não permite ações respaldadas por esse organismo da ONU.

A Rússia bloqueou nesta quarta-feira no Conselho de Segurança uma resolução proposta pelos Estados Unidos; para criar uma investigação sobre os ataques químicos na Síria; aumentando a possibilidade de uma ação militar de Washington contra o regime de Damasco.

Forças governamentais

As forças governamentais sírias estão evacuando suas principais bases no país perante as ameaças do presidente dos EUA, Donald Trump; de responder “contundentemente” ao suposto ataque químico ocorrido há quatro dias perto de Damasco, segundo ativistas.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos apontou que os soldados leais ao Governo sírio estão esvaziando os aeroportos e as bases mais importantes, enquanto continuam em estado de alerta, em cumprimento das ordens de seu comando.

Na terça-feira, essa mesma fonte tinha revelado que a liderança das tropas governamentais sírias tinha dado instruções; para que suas forças se mobilizassem durante 72 horas.

A Sociedade Médica Síria Americana (SAMS, por sua sigla em inglês) e a Defesa Civil da Síria; ambas organizações apoiadas pelos EUA, asseguraram que pelo menos 42 pessoas morreram no sábado com sintomas de ter sofrido um ataque com substâncias tóxicas.

Nenhuma outra fonte confirmou que se tratasse de um bombardeio com armamento químico; e tanto Damasco como Moscou negaram o uso deste tipo de armas em Duma.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos; pelo menos 21 pessoas morreram nesse dia por asfixia; mas como resultado do desabamento “dos edifícios” nos quais estavam.

Em 6 de abril de 2017, Trump ordenou lançar dezenas de mísseis contra a base aérea síria de Al Shairat; na província central de Homs, como represália pelo ataque químico em de Khan Sheikun; onde morreram mais de 80 pessoas e do qual a ONU culpou ao Governo de Damasco.