Oriente médio comemora fim do Ramadã

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 23 de outubro de 2006 as 16:41, por: CdB

A maior parte dos países do Oriente Médio realizam, nesta segunda-feira, a festa de Eid ul Fitr, que marca o fim do mês de jejum do Ramadã (mês sagrado muçulmano).As primeiras autoridades a anunciar a festa foram as da Arábia Saudita. Iêmen, Bahrein, Kuait, Catar, Emirados Árabes Unidos, Líbano, Sudão, os territórios palestinos e os sunitas do Iraque também celebrarão amanhã o fim do período religioso.

O Egito só realizará a festa amanhã. Os países do Magrebe também costumam celebrar a festa um dia mais tarde, e o atraso também é comum no princípio do Ramadã.

O Ramadã dura 29 ou 30 dias, e tanto seu início como seu término devem ser declarados após a observação de um fio de lua sobre o céu por um grupo de especialistas, sem a ajuda de qualquer instrumento. Os meses islâmicos são lunares, razão pela qual há uma defasagem de cerca de dez dias com relação aos anos solares. Isso significa que, a cada ano, o Ramadã é antecipado em dez dias com relação à data (solar) do ano anterior.

Durante o mês do Ramadã, que marca o dia em que o Alcorão foi revelado ao profeta Maomé, o muçulmano adulto não pode comer, beber, fumar nem manter relações sexuais entre o nascer e o pôr-do-sol.

O fim do Ramadã é uma das festas mais celebradas nos países islâmicos, que costumam decretar vários dias de feriado para escolas, escritórios, bancos e instituições públicas e privadas.

Autoridades israelenses aceleraram a entrada na faixa de Gaza de bebidas e doces, para a festa muçulmana que marca o encerramento do mês de jejum do Ramadã. A entrada em massa de doces na faixa de Gaza, onde vivem, em condições desesperadoras 1,4 milhão de palestinos, contrasta com a falta nesse território de produtos básicos, como o arroz, a farinha e o óleo para cozinhar.

As autoridades israelenses, que controlam tudo o que entra e sai pelas três passagens de mercadorias, regula estritamente a entrada de bens de necessidade para os habitantes desse território de 360 quilômetros quadrados.

Segundo o coronel Nir Pris, diretor de escritório de coordenação e enlace, nas últimas duas semanas passaram centenas de toneladas de produtos de primeira necessidade, mas para os palestinos, nestes momentos de festa, o mais necessário são os doces elaborados no Egito e os brinquedos.