Origem do óleo nas praias brasileiras segue desconhecida

Arquivado em: Brasil, Manchete, Últimas Notícias
Publicado sábado, 30 de novembro de 2019 as 11:09, por: CdB

As primeiras manchas de óleo atingiram o litoral do Brasil, na Paraíba, há três meses, no dia 30 de agosto.

Por Redação, com Sputnik – de Brasília

O governo criou um grupo de trabalho para coordenar a resposta à catástrofe ambiental e investigar sua origem. No entanto, ninguém foi indiciado.

Origem do óleo nas praias brasileiras segue desconhecida três meses depois das primeiras manchas
Origem do óleo nas praias brasileiras segue desconhecida três meses depois das primeiras manchas

As primeiras manchas de óleo atingiram o litoral do Brasil, na Paraíba, há três meses, no dia 30 de agosto. O número de locais afetados segue aumentando e 800 pontos já foram atingidos, informou o Ibama. O óleo avançou pela costa de todos os estados do Nordeste, além do Espírito Santo e do Rio de Janeiro.

A investigação da Polícia Federal em conjunto com a Marinha apontou o navio grego Bouboulina como o principal suspeito. No entanto, a Marinha também notificou outros 29 navios.

A linha de investigação mais promissora é de que um vazamento tenha ocorrido ou de um navio ou em uma transferência de carga entre dois navios na corrente Sul-Equatorial, a aproximadamente 600 a 700 km da costa brasileira, informou o diário conservador carioca O Globo.

Navios

Segundo especialistas em análise de imagens por satélite, consultados pelo jornal, no entanto, a validade da investigação da PF para chegar ao Bouboulina é questionável, já que óleo no mar pode não ser visível em imagens de satélite.

Ao longo dos últimos três meses, quase 5 mil toneladas de óleo foram recolhidas das praias do país. Os danos no litoral do Nordeste podem durar décadas, pois manguezais e recifes de corais também foram atingidos.

Segundo a Petrobras, o petróleo que atinge o Brasil é de origem venezuelana, mas as análises da empresa ainda não foram divulgadas ao público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *