OTAN diz estar pronta para colidir ou cooperar com Rússia

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 16 de fevereiro de 2021 as 09:50, por: CdB

O especialista militar russo, Igor Korotchenko, comentou à agência russa de notícias Sputnik que a Rússia está pronta para colaborar com a OTAN, mas é forçada a tomar medidas para garantir sua segurança. A declaração de Stoltenberg é apenas um ritual, conforme especialista.

Por Redação, com Sputnik – de Moscou

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, afirmou que a aliança considera diferentes variantes de relações com a Rússia.

Jogando responsabilidade em Moscou, OTAN diz estar pronta para colidir ou cooperar com Rússia

Na segunda-feira, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, afirmou que a aliança considera diferentes cenários de relações com a Rússia, segundo o jornal El Mundo.

– Se a Rússia quiser colidir, a OTAN está pronta; se quiser cooperar, (OTAN) ficará encantada – destacou Stoltenberg.

O chefe da OTAN sublinhou a necessidade de manter as relações com Moscou devido ao risco de renovação de corrida armamentista.

No entanto, Stoltenberg acredita que é preciso dialogar com Moscou a partir de um posicionamento forte e firme.

O especialista militar russo, Igor Korotchenko, comentou à agência russa de notícias Sputnik que a Rússia está pronta para colaborar com a OTAN, mas é forçada a tomar medidas para garantir sua segurança. A declaração de Stoltenberg é apenas um ritual, conforme especialista.

– Oferecemos à OTAN uma interação igualitária na esfera de segurança, mas a aliança em plano prático treina cenários de guerra com a Federação da Rússia. Nessas condições, a única reação possível e adequada de nosso país é tomar medidas suficientes para garantir sua capacidade de defesa e segurança, o que realizamos na prática – afirmou Korotchenko.

A Rússia demostrará a intenção de colaboração quando a OTAN estiver pronta para um diálogo que leve em consideração os interesses russos, acredita o especialista militar.

– Atualmente, vemos que declarações rituais de Bruxelas não são confirmadas pelas ações práticas de aumento contínuo da atividade militar – acrescentou.