Otan mobiliza maior exercício naval, em décadas, contra China e Rússia

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 5 de dezembro de 2021 as 19:44, por: CdB

O exercício, chamado de Polaris 21, envolveu esses dois países, apesar da possibilidade de tensões após o incidente com o acordo AUKUS, que cancelou um contrato de fornecimento de submarinos da França à Austrália e o substituiu por uma oferta dos EUA e do Reino Unido à nação da Oceania.

Por Redação, com Sputniknews – de Londres

EUA, Espanha, França, Grécia e Reino Unido participaram de exercícios navais, envolvendo 6 mil militares da Aliança Atlântica, para combater a “marcha forçada” das marinhas da Rússia e da China. As forças navais do Reino Unido e da França conduziram exercícios navais conjuntos durante 16 dias para combater “ameaças compostas”, entendidas como a Rússia e a China, relatou no domingo o diário britânico The Guardian.

Manobra,Otan,Polaris 21
Oficiais da Marinha Francesa participaram da Polaris 21 ao lado de militares britânicos

O exercício, chamado de Polaris 21, envolveu esses dois países, apesar da possibilidade de tensões após o incidente com o acordo AUKUS, que cancelou um contrato de fornecimento de submarinos da França à Austrália e o substituiu por uma oferta dos EUA e do Reino Unido à nação da Oceania.

— Existem laços inextricáveis entre os franceses e o Reino Unido, e há muitos oficiais de intercâmbio como eu trabalhando com os militares do outro. Todas essas relações são realizadas no dia a dia em um nível pessoal e não houve mudanças — comentou o capitão-tenente Duncan Abbott, o único oficial da Marinha Real britânica a bordo do porta-aviões francês Charles de Gaulle.

Também houve participação de mais quatro Estados-membros da OTAN, os EUA, Espanha, Grécia e Itália, com um total de 6 mil efetivos militares, tornando o Polaris 21 “um dos maiores exercícios navais internacionais de todos os tempos”.

Vasos de guerra

Pierre Vandier, comandante naval sênior da França, anunciou à tripulação do Charles de Gaulle e a jornalistas que os principais desafios de segurança nacional hoje incluem “submarinos, ataques cibernéticos, ataques espaciais e uma própria guerra naval”, e apontou como ameaças principais a “marcha forçada” de certas marinhas para se expandirem, como a Rússia no mar Mediterrâneo, apesar de não a mencionar por nome, e a China no oceano Pacífico.

— Hoje estamos vendo o crescimento de marinhas para duas ou três vezes do que eram antes. Temos visto o triplicar da Marinha chinesa em dez anos, pelo que agora ultrapassa a Marinha dos EUA — acrescentou, instando à expansão da atividade militar pelos países da OTAN, pois “não podemos ser apanhados de surpresa, temos de provar nossa credibilidade”.

As manobras militares tiveram a participação de 24 navios de guerra dos seis países da OTAN, incluindo metade da Marinha francesa, e também forças terrestres e aéreas do país europeu. O Polaris 21 deu a oportunidade de ação multidomínio, simultaneamente no mar, na terra, no ar, espaço, ciberespaço, além dos campos informacional e eletromagnético.

Gallic Strike

Os desafios treinados incluíram um apagão de comunicação por satélite e desligar os celulares de todos os militares para evitar detecção pelo inimigo convencional.

— Os rastros digitais que deixamos são ferramentas para os combatentes (inimigos) — pontuou Vandier.

Além disso, os aviões militares receberam ordens frequentes para decolar sem aviso, e foi dada uma missão para resgatar um piloto de caça ejetado de território inimigo. O exercício foi descrito como tendo decorrido “em uma grande área e por muito tempo”, para simular situações de combate real.

Antes, em junho, o Charles de Gaulle e o porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth conduziram o exercício Gallic Strike no oeste do Mediterrâneo para aprimorar a cooperação entre as marinhas dos dois países.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code