Pacientes com epilepsia contam com mais um genérico aprovado no país

Arquivado em: Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado sexta-feira, 24 de agosto de 2018 as 10:11, por: CdB

Vigilância Sanitária aprovou o registro do Levetiracetam, que será comercializado na forma de uma solução oral

Por Redação, com ACS – de Brasília

Pacientes com epilepsia vão contar com mais uma opção de medicamento para auxiliar no tratamento da doença. Nesta semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro do genérico Levetiracetam.

De acordo com a Anvisa, o registro de novos genéricos amplia o acesso da população a medicamentos com qualidade e custo reduzido

A substância será comercializada na forma de solução oral. De acordo com a Anvisa, o registro de novos genéricos amplia o acesso da população a medicamentos com qualidade e custo reduzido.

Ainda segundo a agência, o Levetiracetam poderá ser administrado “em vários tipos de manifestações relacionados à doença”. Isso inclui: tratamento de crises parciais, com ou sem generalização secundária, em pacientes a partir dos 16 anos, com diagnóstico recente de epilepsia; terapia complementar para casos de crises parciais em adultos, crianças e bebês; e para espasmos rápidos e repentinos, conhecidos como crises mioclônicas, em adolescentes e adultos.

– Além disso, o medicamento poderá ser usado em situações de crises tônico-clônicas (combinação de contrações musculares) primárias generalizadas, em adultos e crianças com mais de seis anos de idade, com epilepsia idiopática generalizada – esclareceu, em nota, a Anvisa.

Acesso a medicamentos gratuitos

O Ministério da Saúde disponibiliza à população, de forma gratuita, diversos medicamentos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Os pacientes que precisam de tratamento para doenças como asma, hipertensão, osteoporose, glaucoma, rinite e diabetes, por exemplo, podem, de maneira simples, ter acesso aos remédios por meio dos centros de saúde da sua cidade.

Saiba como adquirir

  1. Acesse a relação de fármacos e veja se o remédio que o médico prescreveu está na lista: Grupo 1Grupo 2 e Grupo 3.
  2. Tenha o Cartão Nacional de Saúde (CNS) em mãos. O cidadão que ainda não possui o cartão pode fazer um pré-cadastro e gerar um protocolo de atendimento no Portal Saúde do Cidadão. Pelo site, o usuário pode consultar o cadastro, imprimir o cartão, verificar o Registro de Ações e Serviços de Saúde. Contudo, o Ministério da Saúde reforça que, mesmo sem o cartão, o paciente pode ter acesso aos remédios.
  3. Compareça até a farmácia do Centro de Saúde mais próximo com o CNS, documento de identificação e a receita médica (SUS ou particular) e solicite a medicação. Pode ser retirada pelo usuário ou responsável legal (com apresentação da carteira de identidade).

Investimento

Neste ano, o orçamento da Assistência Farmacêutica para a aquisição de medicamentos foi de aproximadamente R$ 19,4 bilhões. O Bloco de Financiamento da Assistência Farmacêutica se divide em três componentes: básico, estratégico e especializado, além do Programa Farmácia Popular.

O básico se destina à aquisição de medicamentos e insumos para o programa de Atenção Básica à Saúde. O armazenamento, controle de estoque, prazos de validade, distribuição e dispensação são de responsabilidade dos estados, do Distrito Federal e municípios. Mensalmente, os recursos federais são repassados do Fundo Nacional de Saúde para os fundos estaduais e municipais; os estratégicos são fármacos adquiridos pela pasta e distribuídos aos estados e municípios. São para o combate ao tabagismo, para alimentação e nutrição, tratamento de tuberculose, hanseníase, Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), Síndrome da imunodeficiência Adquirida (AIDS), entre outros; e, por último, o componente especializado garante ao cidadão o acesso aos medicamentos que são mais caros.

A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename) — lista que estabelece os medicamentos que precisam atender às necessidades de saúde prioritárias — contém 972 itens.

Farmácia Popular

No programa, o cidadão tem acesso a medicamentos dispensados nos estabelecimentos particulares credenciados no Farmácia Popular. Segundo o Ministério da Saúde, até abril de 2018, mais de 43 milhões de pessoas foram atendidas pelo programa, que conta com um total de mais de 31 mil estabelecimentos em 4.389 municípios brasileiros. São disponibilizados 42 produtos, sendo 26 gratuitamente e o restante com descontos que chegam até 90%.

Confira a lista de medicamentos disponíveis no programa Aqui tem Farmácia Popular.