Países ricos se aproximam da meta de financiamento climático

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 6 de novembro de 2020 as 13:23, por: CdB

Países ricos aumentaram o financiamento para ajudar nações em desenvolvimento a cortarem as emissões de carbono e lidar com o impacto da mudança climática, mas não está claro se cumprirão a meta de 100 bilhões de dólares neste ano.

Por Redação, com Reuters – de Bruxelas

Países ricos aumentaram o financiamento para ajudar nações em desenvolvimento a cortarem as emissões de carbono e lidar com o impacto da mudança climática, mas não está claro se cumprirão a meta de 100 bilhões de dólares neste ano.

Pássaro próximo de pico congelado na Alemanha
Pássaro próximo de pico congelado na Alemanha

Em sua atualização anual do financiamento climático para países em desenvolvimento, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) disse que governos doadores contribuíram com US$ 78,9 bilhões em 2018, último ano para o qual existem dados disponíveis, um aumento de 11% em relação aos US$ 71,2 bilhões de 2017.

Os fundos incluem empréstimos, bolsas e uma quantidade pequena de ações, além de investimentos privados que organismos públicos ajudam a mobilizar.

Organização das Nações Unidas

Em 2009, países desenvolvidas combinaram na Organização das Nações Unidas (ONU) que contribuiriam juntos com US$ 100 bilhões em financiamento climático por ano até 2020 para países mais pobres, muitos dos quais estão enfrentando a elevação dos mares, tempestades e secas agravadas pela mudança climática.

A meta de US$ 100 bilhões continua ao alcance, disse a OCDE, embora o financiamento privado mobilizado, que totalizou US$ 14,6 bilhões em 2018, tenha aumentado pouco entre 2017 e 2018.

Como a pandemia de coronavírus transtornou os investimentos neste ano, a OCDE disse que ainda não existem dados mostrando como a covid-19 afetou o financiamento climático.