Palestinos condenam representação brasileira em Jerusalém

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 1 de abril de 2019 as 10:25, por: CdB

Autoridade Palestina convoca seu embaixador no Brasil para consultas e acusa “flagrante violação”, pelo governo brasileiro, da legitimidade internacional e “agressão” ao povo palestino e seus direitos.

Por Redação, com DW – de Jerusalém

A Autoridade Palestina convocou seu embaixador no Brasil para consultas após a decisão do governo brasileiro de abrir uma representação comercial em Jerusalém. O Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina afirmou no domingo que adotou a medida “a fim de tomar as decisões apropriadas para enfrentar tal situação”, que condenou “nos termos mais fortes”.

Visita de Bolsonaro ocorre em momento difícil para o premiê Benjamin Netanyahu

O ministério considerou a decisão uma “flagrante violação da legitimidade internacional e suas resoluções; uma agressão direta ao nosso povo e a seus direitos e uma resposta afirmativa para a pressão israelense-americana que visa reforçar a ocupação e a construção de assentamentos na área ocupada em Jerusalém”.

A abertura da representação brasileira em Jerusalém surgiu como uma solução para a controvérsia gerada pelo presidente Jair Bolsonaro, que durante a campanha eleitoral prometeu transferir a embaixada brasileira para a cidade disputada por palestinos e israelenses como sua legítima capital.

A atitude, que seguia medida semelhante adotada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, gerou atritos diplomáticos com os países árabes. Após resistência do setor militar do governo e de ruralistas, que temiam dificuldades nas relações comerciais e diplomáticas com esses países, o governo acabou revendo sua posição.

Em meio ao impasse em Brasília, o governo israelense acenou que aceitaria que o Brasil cancelasse os planos de transferir sua embaixada e que se contentaria com a abertura de uma representação comercial.

Com a abertura do escritório, o Brasil segue o exemplo recente da Hungria, que há pouco mais de 10 dias inaugurou uma representação comercial em Jerusalém. Apenas dois países mantêm embaixadas em Jerusalém: Estados Unidos e Guatemala.

Segundo o jornal Jerusalem Post, a Autoridade Palestina abriu consulta junto aos países árabes para determinar uma posição árabe unificada em relação à decisão brasileira.

A visita de Bolsonaro também ocorre num momento difícil para o premiê israelense, Benjamin Netanyahu. Em poucos dias, o país vai passar por eleições legislativas. Netanyahu vem fazendo esforços para se projetar para os eleitores como uma liderança mundial, o que faz com que parte da imprensa israelense encare a visita de Bolsonaro como um ato de campanha.

No início da semana, o premiê fez uma visita relâmpago aos EUA e foi recebido pelo presidente Donald Trump. Os encontros têm sido usados por Netanyahu para apresentar uma agenda positiva enquanto cresce a expectativa de que ele seja alvo de uma denúncia criminal por suspeita de corrupção.

Nos próximos dias da visita, Bolsonaro terá reuniões com empresários, representantes políticos e membros da comunidade brasileira em Israel. Ele visitará o Museu do Holocausto e alguns dos lugares santos de Jerusalém, como o Santo Sepulcro, o templo mais sagrado do cristianismo, e o Muro das Lamentações, local de culto mais sagrado para os judeus.

Estes dois últimos locais ficam na parte ocupada de Jerusalém, o que gerou protestos da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). É esperado que Netanyahu acompanhe Bolsonaro na visita ao muro, algo que raramente ocorre durante viagens de líderes estrangeiros, que preferem evitar a companhia de membros do governo israelense numa área tão sensível para evitar problemas diplomáticos com países árabes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *