Palestinos protestam contra mulher de Arafat

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 8 de novembro de 2004 as 20:50, por: CdB

As declarações da mulher de Yasser Arafat, Suha, contra as principais autoridades palestinas nesta segunda-feira causaram revolta tanto entre políticos como entre pessoas nas ruas dos territórios ocupados.

Suha Arafat disse que a delegação formada pelo ministro palestino das Relações Exteriores, Nabil Shaath, o primeiro-ministro, Ahmed Korei, e o vice de Arafat, Mahmoud Abbas, tinha como objetivo visitar Paris para “enterrar Arafat vivo”.

Pouco tempo depois de redes árabes de TV e rádio transmitirem as afirmações de Suha, as autoridades desistiram da viagem, para mais tarde voltarem atrás e confirmarem a ida à Europa.

No entanto, o descontentamento com a atitude da esposa do líder palestino não se dissipou.

No início da tarde desta segunda-feira, em uma manifestação no centro da cidade de Ramallah, um grupo de mulheres gritava palavras de ordem como “Suha, fique em Paris”, para demonstrar seu descontentamento.

As manifestantes também gritavam que a mulher de Arafat não tinha o direito de se intrometer em questões políticas palestinas.

Ausência

Suha é muito criticada nos territórios ocupados por ter se mudado para Paris desde o começo da intifada (a revolta palestina) há quatro anos e deixado Arafat para trás em seu quartel-general de Ramallah.

Agora, após essa ausência, eles acreditam que ela não tem mais o direito de decidir sobre o futuro do marido, que é considerado um símbolo da luta por um Estado independente.

– A família palestina é muito mais importante que o núcleo familiar de Arafat – afirmou o ministro da Juventude e Esporte, Saleh Altamary.

Altamary fez suas declarações do lado de fora do quartel-general de Arafat, onde várias autoridades estavam discutindo o que fazer diante da nova e inesperada crise.

Para o analista político Said Zidani, ninguém estava preparado para a atitude de Suha.

– Isso não era esperado e é muito estranho. Não sabemos exatamente por que ela está fazendo isso, talvez seja ressentimento em relação à atual liderança política – afirmou o analista, embora ele mesmo pondere que ela nunca teve um papel político entre os palestinos.

Said Zidani afirma que ainda é cedo para saber exatamente qual será o impacto de todo o processo. No entanto, ele acredita que a situação poderá até beneficiar a nova liderança.

– Com certeza, esse fiasco não vai atrapalhar o apoio popular (à nova cúpula) e pode até ser que ele una ainda mais os palestinos.