Pandemia lança mundo do trabalho em crise inédita, constata OIT

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 8 de julho de 2020 as 12:05, por: CdB

A perspectiva do mercado de trabalho global na segunda metade de 2020 é “altamente incerta”, e a recuperação prevista não bastará para o emprego voltar aos níveis pré-pandemia neste ano, disse a OIT na semana passada. A agência da ONU disse que a redução das horas de trabalho mundiais foi “significativamente pior do que o estimado anteriormente” na primeira metade do ano.

Por Redação, com Reuters – de Genebra

Líderes globais pediram uma abordagem ampla de contraposição ao impacto da pandemia de coronavírus, que lançou o mundo do trabalho em uma “crise inédita”, disse o chefe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, nesta quarta-feira.

Chefe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder avalia o estrago causado pela pandemia, nos empregos
Chefe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder avalia o estrago causado pela pandemia, nos empregos

— Sejamos claros: não é uma escolha entre saúde ou empregos e a economia. Eles estão interligados: ou venceremos em todas as frentes ou fracassaremos em todas as frentes — disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, em uma cúpula da OIT na qual dezenas de chefes de Estado e governo se pronunciarão através de mensagens gravadas.

Perspectiva

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse à cúpula que o mundo tem a tarefa especial de proteger os milhões de profissionais de saúde na linha de frente da crise e que o sofrimento aumenta os casos de infecções e mortes.

— Juntos, temos a tarefa de proteger aqueles que nos protegem — afirmou.

A perspectiva do mercado de trabalho global na segunda metade de 2020 é “altamente incerta”, e a recuperação prevista não bastará para o emprego voltar aos níveis pré-pandemia neste ano, disse a OIT na semana passada. A agência da ONU disse que a redução das horas de trabalho mundiais foi “significativamente pior do que o estimado anteriormente” na primeira metade do ano.