Pandemia reduz, dramaticamente, níveis de exportação dos refinados norte-americanos

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 27 de março de 2020 as 15:43, por: CdB

O vírus ainda não atingiu a América Latina com a mesma intensidade que a Europa ou os Estados Unidos, mas está se espalhando cada vez mais pela região, e um número crescente de nações está impondo restrições de viagem.

Por Redação, com Reuters – de Huston, TX-EUA

A demanda por produtos refinados na América Latina está secando rapidamente à medida que a pandemia de coronavírus piora, deixando as refinarias norte-americanas sem seu principal destino de exportação à medida que o vírus se espalha. A crise quase interrompeu as viagens aéreas em todo o mundo e está destruindo a demanda por combustível, que pode cair de 15% a 20% globalmente nos próximos meses.

A tendência das refinarias é de reduzir, substancialmente, a produção do querosene de aviação
A tendência das refinarias é de reduzir, substancialmente, a produção do querosene de aviação

O vírus ainda não atingiu a América Latina com a mesma intensidade que a Europa ou os Estados Unidos, mas está se espalhando cada vez mais pela região, e um número crescente de nações está impondo restrições de viagem.

Os maiores importadores da região nos últimos dias começaram a cortar pedidos de cargas de combustível, que são executados principalmente no mercado spot volátil, à medida que o consumo cai, de acordo com fontes de empresas de trading e refino.

México

Os dois maiores importadores de combustíveis da América Latina, a Petroleos Mexicanos e a Petrobras, reduziram o número de cargas de gasolina e diesel a serem importadas nas próximas semanas, segundo traders.

Os Estados Unidos exportaram 2,9 milhões de barris por dia de combustível para a América Latina e o Caribe no ano passado, de acordo com a Administração de Informação de Energia (AIE) dos EUA, tornando a região o maior comprador de produtos refinados norte-americanos e um cliente constante de refinarias dos EUA.

No México, que comprou 1,19 milhão de bpd de combustível dos Estados Unidos em 2019, a demanda do varejo contraiu 15% nas últimas duas semanas, de acordo com sua associação de vendedores de combustíveis, Onexpo, enquanto os preços começaram a cair nos postos de gasolina.

Combustíveis

As exportações de combustíveis dos EUA para a América Latina foram afetadas por um “super bloqueio”, disse um comerciante de produtos refinados de uma companhia global. Outro disse que as exportações foram atingidas enquanto o “mundo está parando”.

— A maioria das compras oportunistas motivadas pela queda dos preços desapareceu, pois os maiores importadores da região não têm grande capacidade de armazenar gasolina ou diesel — disse outro trader.

O maior importador do México, a Pemex, já havia reduzido as importações de combustível em 14% em janeiro para 733.600 bpd, segundo dados oficiais.

Bolsonaro

No Brasil, maior comprador latino-americano de diesel, as vendas domésticas de combustíveis caíram recentemente em média 50% nas bombas nas cidades com mais de 300 mil habitantes, disse na quarta-feira um sindicato que representa mais de 40.000 postos de gasolina.

As autoridades locais brasileiras estão tentando restringir as viagens para combater o vírus, mesmo quando o presidente Jair Bolsonaro se opôs às paralisações.

A Venezuela, importadora regular de nafta diluente, gasolina e diesel, reduziu as compras neste mês para cerca da metade, principalmente devido às sanções dos EUA que limitam os fornecedores que podem trabalhar com a estatal PDVSA, mas também por causa da queda na demanda após o fechamento de postos de gasolina.

Na Colômbia, a Ecopetrol controlada pelo Estado, notou uma queda na demanda doméstica de combustível, o que já motivou cortes de processamento nas refinarias de Cartagena e Barrancabermeja.

A Pemex e a PDVSA não responderam aos pedidos de comentário. A Petrobras não quis comentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *