Papa chega à Croácia em sua centésima viagem

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quinta-feira, 5 de junho de 2003 as 18:35, por: CdB

Na centésima viagem de seu pontificado, João Paulo II chegou nesta quinta-feira à Croácia, um bastião católico nos Bálcãs. Durante uma visita de cinco dias, o papa se dispõe a pregar a paz e a reconciliação.

O pontífice de 83 anos foi ajudado por seus assistentes a subir em um carro que o conduziu sobre um tapete vermelho durante a cerimônia de boas-vindas.

Em seguida, falou de suas peregrinações, que incluem duas visitas feitas à Croácia, responsáveis por seu apelido de “Papa peregrino”. João Paulo já passou 585 dias de seu pontificado viajando, período que corresponde a um ano e meio.

– Dou graças a Deus Todo Poderoso por ter-me permitido voltar até vocês nesta minha centésima visita pastoral. Trouxe comigo uma oração para a paz que saiu do coração – disse.

– Que aqueles que exercem a autoridade civil e religiosa nunca se cansem de tentar curar as feridas causadas pela guerra cruel e de lembrar as conseqüências de um sistema totalitário que durante longo tempo tentou impor uma ideologia oposta ao homem e sua dignidade -afirmou o papa.

Embora arquejante e com tremor em seu braço, o pontífice pronunciou um discurso em croata com voz forte e clara. Depois pegou um barco e atravessou a baía rumo ao porto de Rijeka, onde milhares de peregrinos o saudaram perto do cais.

A visita de João Paulo, que na sexta-feira irá a Dubrovnik, um porto do sul do país devastado pela guerra, porá novamente à prova sua capacidade para superar seus problemas de saúde e as limitações que sofre por sua idade avançada.

A preocupação de seus assessores transpareceu quando o cardeal Angelo Sodano, secretário de Estado do Vaticano, sugeriu que uma viagem do pontífice para a Mongólia, marcada para agosto, poderia ser cancelada.

– É muito longe – disse Sodano à imprensa, ressaltando que naquela nação asiática predominantemente budista há apenas 170 católicos e nenhum bispo.

Apesar de sua dificuldade para andar e permanecer de pé, o ocupante do trono de São Pedro parece mais forte nos últimos meses. Seus assessores atribuem tal melhora à fisioterapia e não a algum remédio “milagroso”.

– O papa não está tomando sementes de papaia – brincou Sodano, referindo-se a versões de que João Paulo II estaria seguindo um tratamento com papaia.

Sem esconder sua afeição pela Croácia, um país majoritariamente católico, na véspera de sua partida de Roma o supremo chefe da Igreja ofereceu aos croatas uma bênção “de todo o coração” e lhes pediu suas orações.