Papa Francisco critica o consumismo, ‘que sequestrou o Natal’

Arquivado em: África, América Latina, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 20 de dezembro de 2020 as 14:39, por: CdB

O papa Francisco pediu para as pessoas, ao redor do mundo, não se deixarem levar pelo consumismo, mas sim se importar com o que verdadeiramente importa: Jesus.

Por Redação, com Ansa – de Roma

O papa Francisco criticou neste domingo o consumismo associado às comemorações do Natal, pedindo aos fiéis que relacionem a data em que é celebrado o nascimento de Jesus com a atenção e ajuda aos mais necessitados e com a oração.

Australianos querem indenização da Igreja Católica por crimes de pedofilia
O papa Francisco ressaltou que o capitalismo desenfreado gera o consumismo, que terminou por sequestrar o verdadeiro sentido do Natal

— O consumismo sequestrou o Natal. O consumismo não está na manjedoura de Belém, ali está a realidade, a pobreza, o amor — disse o Pontífice durante oração do ângelus, no Vaticano.

O pontífice pediu para as pessoas não se deixarem levar pelo consumismo, mas sim se importar com o que verdadeiramente importa: Jesus.

— ‘Ah, tenho de comprar os presentes, tenho de fazer isto’, o frenesi de fazer coisas, coisas, coisas… O importante é Jesus — ressaltou.

Pandemia

Além disso, o papa fez referência ao “momento difícil” provocado pela pandemia do novo coronavírus Sars-CoV-2.

— Neste momento difícil, em vez de reclamarmos do que a pandemia nos impede de fazer, façamos algo por quem tem menos. Não seja o enésimo presente para nós e para os nossos amigos, mas para um necessitado em quem ninguém pensa — afirmou.

Durante a oração na praça São Pedro, Francisco aconselhou todos os presentes para que use a celebração do Natal como uma “oportunidade de renovação interior, de oração, de conversão, de passos em frente na fé, e de fraternidade”.

— Para que Jesus nasça em nós, preparemos o coração, vamos rezar, não deixemos nos levar pelo consumismo — orou.

Entes queridos

O líder da Igreja Católica pediu atenção especial para todos que estão “na indigência, o irmão que sofre, onde quer que se encontre”. O Papa disse, ainda, que a pandemia criou especiais dificuldades aos trabalhadores marítimos.

— Muitos deles – estima-se que 400 mil, em todo o mundo – estão presos nos navios, para lá do termo dos seus contratos, e não podem regressar a casa — lembrou.

Francisco fez uma oração à Virgem Maria, para que conforte estas pessoas e todos os que vivem situações de dificuldade, pedindo aos governos que “façam o possível” para que os trabalhadores possam voltar a estar com os seus entes queridos.

Presépios

O Papa elogiou também a mostra que, este ano, acontece na Praça de São Pedro, enfatiza a “catequese da fé para o Povo de Deus”. Francisco destacou como a arte procura “mostrar como nasceu Jesus”, numa “grande catequese” da fé cristã.

A exposição 100 Presépios no Vaticano acontece ao ar livre, sob a colunata de Bernini, devido às limitações impostas pela pandemia. A mostra percorre 30 países e expõe as diversas tradições do Natal.