Para Powell, “Mapa da Paz” não precisa de aceitação integral

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 12 de maio de 2003 as 13:58, por: CdB

Manifestando a esperança de que Israel e os palestinos possam chegar a um acordo, o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, iniciou nesta segunda-feira, no Egito, reuniões para discutir a implementação do “mapa do caminho” para a paz no Oriente Médio.

Durante o fim de semana, Powell encontrou-se separadamente com os primeiros-ministros israelense e palestino, Ariel Sharon e Mahmoud Abbas, respectivamente. Os palestinos aceitaram formalmente o projeto mas os israelenses não.

– Não faz diferença se você tem a palavra ‘aceito’ ou não tem a palavra ‘aceito’, o que faz diferença é se os dois lados encontram pontos de concordância no mapa do caminho para que possam iniciar esse processo – declarou Powell em uma entrevista coletiva, no Cairo, ao lado do ministro das Relações Exteriores egípcio, Ahmed Maher.

– As nações árabes têm um papel muito importante a exercer na região – acrescentou.

O secretário disse que o governo egípcio ajudou os palestinos no processo de escolha de Abbas para o cargo de primeiro-ministro.

O Egito é a segunda escala do giro de uma semana que Powell realiza pelo Oriente Médio e a Europa.

O secretário visitará ainda Jordânia, Arábia Saudita, Rússia, Bulgária e Alemanha, retornando a Washington na sexta-feira.

O “mapa do caminho”, que conta com o apoio do chamado Quarteto de Madrid – um grupo formado por Estados Unidos, Rússia, Nações Unidas e União Européia – busca um amplo acordo entre israelenses e palestinos e o estabelecimento de um Estado palestino até 2005.

Após encontrar-se separadamente com Sharon e Abbas, Powell declarou a repórteres que os palestinos concordavam com pontos suficientes do “mapa do caminho” para que este seja implementado.

O ministro egípcio Maher ressaltou que é importante que os dois lados expressem formalmente sua intenção de respeitar o plano.

Powell disse que estava ansioso para analisar as observações israelenses ao documento, mas reiterou que havia “acordo suficiente sobre suas provisões para que fosse iniciado”.

O secretário chamou a planejada reunião entre Abbas e Sharon de um “sinal de esperança”. O encontro está marcado para antes da viagem do premier israelense a Washington, ainda neste mês.

Powell relatou tê-los exortado a evitarem questões delicadas, como o direito de retorno dos refugiados palestinos a Israel.

Maher afirmou que os Estados Unidos e o Egito tinham que agir, “exortando os dois lados a responder e a respeitar suas obrigações”.

O ministro acrescentou que seu país continuará a trabalhar tanto com o presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, como com Abbas.