Parlamentares ligados a Morales tentam retomar atividade política na Bolívia

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 14 de novembro de 2019 as 12:38, por: CdB

Parlamentares partidários do líder boliviano Evo Morales tentavam retomar sua atividade política ao nomear novas lideranças na madrugada desta quinta-feira.

Por Redação, com Reuters – de La Paz

Parlamentares partidários do líder boliviano Evo Morales tentavam retomar sua atividade política ao nomear novas lideranças na madrugada desta quinta-feira, horas depois de a oposição iniciar um governo de transição durante momentos de grande tensão no país.

Partidários de Morales e forças de segurança se enfrentam em La Paz, Bolívia
Partidários de Morales e forças de segurança se enfrentam em La Paz, Bolívia

Os deputados do Movimento para o Socialismo (MAS) alcançaram o quórum durante a noite e votaram em Sergio Choque para presidente da Câmara dos Deputados. Sua bancada no Senado também buscaria se reunir, disse uma fonte à Reuters. No entanto, não ficou claro se desafiariam a presidente interina ao nomear autoridades.

A presidente em exercício, Jeanine Añez, iniciou seu período de transição garantindo convocar eleições em breve, logo após anunciar que assumiria o cargo para suprir o vazio no poder e o caos gerado pela renúncia de Morales no fim de semana.

Em meio a uma crise política decorrente da saída de Morales sob pressão das Forças Armadas, a tensão entre apoiadores dele e seus opositores continua. Na quarta-feira, a Procuradoria Geral do Estado confirmou a morte de sete pessoas desde o início dos conflitos, em outubro.

Paz

– A Bolívia precisa de paz neste momento, não podemos continuar nos maltratando entre irmãos, nos matando entre irmãos – disse o deputado Choque após sua nomeação na Câmara. Suas declarações estavam em sintonia com a última mensagem de Morales.

Em um tuíte publicado durante a noite, o ex-presidente, que chegou nesta semana ao México para asilo político, pediu a outros países, à Organização das Nações Unidas e ao papa Francisco para acompanharem os bolivianos “no diálogo para pacificar nossa querida Bolívia. A violência trama contra a vida e a paz social”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *