Parlamento joga o Brexit no limbo e população comemora nas ruas de Londres

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 19 de outubro de 2019 as 17:52, por: CdB

Diante da queda dos planos sobre o Brexit, o primeiro-ministro Boris Johnson avalia se atenderá à legislação formal de ratificação para que seja aprovada, um passo que o obrigará a pedir à União Europeia um atraso no Brexit.

 

Por Redação, com agências internacionais – de Londres

 

Manifestantes contra o Brexit se reuniram do lado de fora do Parlamento britânico em comemoração neste sábado, enquanto parlamentares votavam uma negativa de apoio ao acordo de saída da UE do primeiro-ministro Boris Johnson até que a legislação formal de ratificação seja aprovada.

Manifestantes comemoram a derrota de Jonhson, no Parlamento, e o Brexit sai mais uma vez prejudicado
Manifestantes comemoram a derrota de Jonhson, no Parlamento, e o Brexit sai mais uma vez prejudicado

“Ouçam-nos”, disseram muitos manifestantes do lado de fora do prédio do Parlamento, com 800 anos de idade. Outros cantaram “O voto do povo”.

Adiamento

Diante da queda dos planos sobre o Brexit, o primeiro-ministro Boris Johnson avalia se atenderá à legislação formal de ratificação para que seja aprovada, um passo que o obrigará a pedir à União Europeia um atraso no Brexit.

Por 322 votos a 306, parlamentares aprovaram uma emenda, apresentada pelo ex-legislador conservador Oliver Letwin. Com isso, o Parlamento não decidirá neste sábado se aprova o acordo de Johnson.

A não ser que Johnson consiga aprovar um acordo até o final deste sábado, ele será obrigado por lei a pedir à União Europeia um adiamento no Brexit até o final de janeiro de 2020. Se Johnson obtiver toda a legislação no Parlamento, ele ainda poderá entregar o Brexit até 31 de outubro.

Conservador

Em tom desafiador, no entanto, Johnson afirmou que não negociaria outro acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, após perder uma votação no Parlamento, neste sábado, que o obriga a pedir um adiamento.

De acordo com a legislação passada anteriormente, a votação significa que Johnson é obrigado a escrever à UE pedindo um adiamento da data marcada para o Reino Unido ir embora, em 31 de outubro. Mas Johnson tem dito repetidas vezes que não fará isso e, neste sábado, manteve o mesmo discurso.

— Não negociarei um adiamento com a UE e a lei não me obriga a fazer isso — disse Johnson, ao Parlamento.

Solução

Diante da derrota de Jonhson, no Congresso, a Comissão Europeia afirmou que o Reino Unido precisa informar os seus próximos passos assim que possível, após o Parlamento votar, neste sábado, pelo adiamento de uma votação chave sobre o acordo do Brexit.

“A Comissão Europeia está ciente da votação na Câmara dos Comuns”, disse a porta-voz Mina Andreeva, no Twitter.

“Caberá ao governo britânico nos informar sobre os próximos passos assim que possível.”
O primeiro-ministro britânico Boris Johnson perdeu uma votação no Parlamento, neste sábado, que o obriga a pedir um adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *