Pazuello encara Bolsonaro, diz que vai se vacinar e há doses para todos

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sábado, 19 de dezembro de 2020 as 16:07, por: CdB

Com essa declaração, Pazuello contrariou a posição do presidente Jair Bolsonaro, que na quinta-feira mostrou irritação com a decisão do STF. Em sua live semanal nas redes sociais, Bolsonaro disse que o governo federal não iria impor restrições.

Por Redação – de Brasília

Ministro da Saúde, o general licenciado Eduardo Pazuello disse, neste sábado, ver com naturalidade a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que previu a imposição de restrições a pessoas que decidirem não tomar a vacina contra covid-19 quando estiver disponível. Em rota de colisão com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que criticou a Corte Suprema, Pazuello afirmou, em entrevista ao SBT, que o próprio ministério decidirá o nível de restrições.

Eduardo Pazuello, assumirá interinamente o comando do ministério, substituindo Nelson Teich
O general licenciado Eduardo Pazuello resolveu deixar de ser apenas uma sombra do presidente Bolsonaro e assume posições próprias no Ministério da Saúde

— É uma decisão que vejo com muita naturalidade, porque já estava previsto por lei. Só está sendo ratificada e define que o Ministério da Saúde que ainda vai dizer. Cabe a nós, em princípio, colocar quais são essas restrições. Então é uma coisa natural, isso será avaliado. Claro que não é uma obrigação forçada, ninguém vai tirar você da sua casa para vacinar. Ficou claro essa posição — disse o ministro.

Com essa declaração, Pazuello contrariou a posição do presidente Jair Bolsonaro, que na quinta-feira mostrou irritação com a decisão do STF. Em sua live semanal nas redes sociais, Bolsonaro disse que o governo federal não iria impor restrições e que o STF não deveria “ter entrado nessa bola dividida”.

Prioritários

Bolsonaro justificou sua resistência afirmando, ainda, que não haveria vacinas para todos e que então não poderia obrigar as pessoas a se vacinarem. O ministro da Saúde também contrariou o presidente nesta questão. Segundo Pazuello, o governo terá vacinas para todos, seguindo um cronograma que dará atenção primeiro a grupos prioritários.

— Existe um cronograma. Dentro de um cronograma será disponibilizada para todos. Claro que existem grupos prioritários. Chegando ao final de um cronograma, considerando aí as entregas dos laboratórios, as produções nacionais, os registros da Anvisa, a logística como um todo, ao final nós teremos disponibilizado a todas as pessoas do nosso país, de forma grátis, universal e igualitária — afirmou.

Pazuello também colidiu com a posição de Bolsonaro, que se nega a tomar a vacina “e ponto final”. O ministro disse tomará a vacina contra covid-19, de qualquer laboratório, quando chegar a sua vez, inclusive a chinesa CoronaVac, alvo de críticas do mandatário.

— Sim (tomarei). A vacina é peça fundamental para o controle da contaminação, e é por isso que a gente trabalha nela o tempo todo — disse. Pazuello, como o presidente, também já teve a doença.