PDT entra com pedido para que eleições deste ano sejam canceladas

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 18 de outubro de 2018 as 15:00, por: CdB

A ação toma por base a denúncia de que empresas estariam comprando pacotes de divulgação em massa de mensagens contra o PT no Whatsapp.

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

Se depender do PDT, que levou o candidato Ciro Gomes ao terceiro lugar no primeiro turno das eleições, os eleitores voltarão às urnas mais rápido do que se imaginava. A legenda anunciou, nesta quinta-feira, o pedido de nulidade das eleições presidenciais deste ano.

Lupi, presidente do PDT, avalia o conteúdo da ação que pede o cancelamento das eleições devido à onda de notícias falsas
Lupi, presidente do PDT, avalia o conteúdo da ação que pede o cancelamento das eleições devido à onda de notícias falsas

A ação toma por base a denúncia de que empresas estariam comprando pacotes de divulgação em massa de mensagens contra o PT no Whatsapp. O fato ganhou as manchetes da maioria dos jornais e notícias na mídia nacional, com repercussão no exterior.

Nulidade

Presidente do PDT, Carlos Lupi reuniu-se com outros integrantes do partido para definir o formato da ação que será ajuizada nas próximas horas. Ele advoga que as notícias falsas têm se transformado no grande problema desta eleição.

— O problema das fake news é muito grave, mas agora a compra do envio em massa de fake news contra o PT foi para um outro patamar. É crime. É abuso do poder econômico. Vamos pedir a nulidade das eleições — disse Lupi a jornalistas.

Fraude

Em mensagem no Twitter, nesta tarde, o diretor do Instituto Datafolha, Mauro Paulino, fez uma análise técnica das pesquisas e admitiu que a subida de Bolsonaro, no conceito do eleitorado, foi impulsionada por uma fraude. Ele explica que a onda na reta final do primeiro turno foi patrocinada por práticas ilegais de uso massivo do WhatsApp com caixa dois digital patrocinado ilegalmente por empresas.

“Pesquisas eleitorais evidenciaram a impulsão da onda nos momentos finais. RJ, MG e DF são claros exemplos. Ao se comparar as fotos das vésperas, registradas por Ibope e Datafolha, em comparação com a foto das urnas, o fenômeno é claramente explicitado”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *