Pedido de vista não é de todo negativo para o ex-presidente Lula

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 4 de dezembro de 2018 as 23:34, por: CdB

O pedido de liberdade feito pela defesa do ex-presidente Lula havia recebido dois votos contrários ao recurso que alega a parcialidade do juiz federal Sergio Moro. O expediente pede a libertação de Lula e a anulação da condenação, o que poderá ser concedido se os três ministros restantes votarem em favor do líder petista.

 

Por Redação – de Brasília

 

O pedido de vista do ministro Gilmar Mendes na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), na análise de juristas ouvidos pela reportagem do Correio do Brasil, na noite desta terça-feira, sinaliza para um possível revés no escore de 2 a 0 pela manutenção do regime fechado para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O julgamento, suspenso no início desta noite, não tem prazo para ser retomado.

O ministro Gilmar Mendes foi alvo de vaias, durante um voo comercial
O ministro Gilmar Mendes pediu vista ao habeas corpus do ex-presidente Lula

O pedido de liberdade feito pela defesa do ex-presidente Lula havia recebido dois votos contrários ao recurso apresentado pelos advogados do petista, que alega a parcialidade do juiz federal Sergio Moro. O expediente pede a libertação de Lula e a anulação da condenação na Operação Lava Jato, o que poderá ser concedido se os três ministros restantes votarem em favor do líder petista.

Antes do pedido, o relator Edson Fachin e Cármen Lúcia votaram contra Lula, mas ainda faltam o voto de Gilmar Mendes, de Ricardo Lewandowski e Celso de Mello. Lula está preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, após ter sua condenação no caso confirmada pelo Tribunal Regional Federal 4ª Região (TRF4), que impôs pena de 12 anos e um mês de prisão ao ex-presidente, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Sergio Moro nega qualquer irregularidade em sua conduta e diz que a decisão de participar do futuro governo ocorreu depois de medidas tomadas por ele contra o ex-presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *