Pentágono afirma que comandante do Irã desenvolvia planos para atacar EUA

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 3 de janeiro de 2020 as 10:45, por: CdB

O ataque dos Estados Unidos que matou o comandante da força Quds do Irã, Qassem Soleimani, teve como objetivo impedir futuros planos iranianos.

Por Redação, com Reuters – de Washington

O ataque dos Estados Unidos que matou o comandante da força Quds do Irã, Qassem Soleimani, teve como objetivo impedir futuros planos iranianos de ataques e proteger cidadãos norte-americanos no Oriente Médio, informou o Pentágono.

Protesto em Teerão contra assassinato de Soleimani
Protesto em Teerão contra assassinato de Soleimani

“Sob a ordem do presidente (Donald Trump), as Forças Armadas dos EUA agiram defensivamente para proteger os cidadãos norte-americanos no exterior ao matar Qassem Soleimani”, afirmou o Pentágono em um comunicado.

“Este ataque teve como objetivo impedir futuros planos iranianos de ataque”, informou, reiterando que os EUA continuarão a tomar as medidas necessárias para proteger seus cidadãos e os interesses em todo o mundo.

Ataques

De acordo com o Pentágono, Soleimani “orquestrou” ataques em bases de coalizão no Iraque ao longo dos últimos meses e aprovou os “ataques” na embaixada dos EUA e Bagdá, ocorridos no início desta semana.

Uma autoridade norte-americana, que falou na condição de anonimato, disse que o Pentágono estava ciente da possibilidade de uma resposta iraniana, enquanto autoridades militares estavam prontas para se defender.

O senador democrata Chris Murphy disse que, embora Soleimani fosse “um inimigo dos Estados Unidos”, o assassinato poderia colocar mais norte-americanos em risco.

– Uma das razões pelas quais geralmente não matamos autoridades políticas estrangeiras é a crença de que tal ação matará mais e não menos norte-americanos – tuitou Murphy.

A ex-embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, disse que a morte de Soleimani “deve ser aplaudida por todos que buscam paz e justiça”.

Antes do ataque, o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, afirmou que havia indícios de que o Irã ou forças que o país apoia poderiam estar planejando ataques adicionais, alertando que o “jogo mudou” e que é possível que os EUA tivessem que tomar medidas preventivas para proteger vidas norte-americanas.

Reduzir tensões

Os Estados Unidos mantêm o comprometimento com a redução de tensões com o Irã, mas estão preparados para se defender, disse o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, nesta sexta-feira, após um ataque aéreo norte-americano ter matado o comandante Qassem Soleimani em Bagdá.

Em entrevista para a Fox News, Pompeo afirmou que poderia apenas confirmar que Soleimani, chefe da força de elite Quds havia morrido no ataque.