Pequim molda narrativa sobre covid-19 conforme investigação da OMS se aproxima

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 5 de janeiro de 2021 as 13:25, por: CdB

Ao mesmo em que uma equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) se prepara para visitar a China para investigar as origens da covid-19, Pequim intensificou os esforços não apenas para prevenir novos surtos, mas também delinear a narrativa sobre quando e onde a pandemia começou.

Por Redação, com Reuters – de Pequim

Ao mesmo em que uma equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) se prepara para visitar a China para investigar as origens da covid-19, Pequim intensificou os esforços não apenas para prevenir novos surtos, mas também delinear a narrativa sobre quando e onde a pandemia começou.

Porta-voz das Relações Exteriores da China Hua Chunying
Porta-voz das Relações Exteriores da China Hua Chunying

A China tem rejeitado as críticas sobre sua condução no surgimento do coronavírus, identificado pela primeira vez na cidade de Wuhan no final de 2019, e a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Hua Chunying disse na segunda-feira que o país acolheria a equipe da OMS.

Tensões geopolíticas

Mas em meio a tensões geopolíticas latentes, especialistas dizem que os investigadores dificilmente terão permissão para examinar alguns dos aspectos mais sensíveis do surto, com Pequim desesperada para evitar a culpa por um vírus que matou mais de 1,8 milhão de pessoas em todo o mundo.

– Mesmo antes desta investigação, importantes autoridades de ambos os lados têm sido muito polarizadas em suas opiniões sobre as origens do surto – disse Yanzhong Huang, integrante sênior do Conselho de Relações Exteriores, um instituto de pesquisa independente dos EUA.

– Eles terão que ser politicamente experientes e tirar conclusões que sejam aceitáveis para todas as principais grupos – acrescentou.

Enquanto outros países continuam a batalha contra a doença, a China tem combatido agressivamente os surtos. Depois de um novo conjunto de casos na semana passada, a cidade de Shenyang isolou comunidades inteiras e exigiu que todos os trabalhadores não essenciais ficassem em casa.