Perspectiva para indústria do Reino Unido é mais fraca desde 2009

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 22 de outubro de 2019 as 12:33, por: CdB

A COnfederação da Indústria Britânica disse que seu balanço de encomendas à indústria caiu para -19 em outubro, de +10 em julho, o menor nível desde abril de 2009.

Por Redação, com Reuters – de Londres

Os fabricantes britânicos estimam que as encomendas à indústria cairão no ritmo mais rápido em uma década nos próximos três meses devido à desaceleração da economia global e à incerteza do Brexit, mostrou uma pesquisa trimestral realizada pela Confederação da Indústria Britânica (CBI, na sigla em inglês) nesta terça-feira.

Boris Johnson prometeu tirar o Reino Unido da União Europeia (UE) até 31 de outubro
Boris Johnson prometeu tirar o Reino Unido da União Europeia (UE) até 31 de outubro

O CBI disse que seu balanço de encomendas à indústria caiu para -19 em outubro, de +10 em julho, o menor nível desde abril de 2009.

O balanço mensal de encomendas da Confederação da Indústria Britânica para outubro caiu de -28 em setembro para -37, abaixo de todas as previsões de uma pesquisa da agência britânica de notícias Reuters e o menor nível desde março de 2010.

– Uma combinação de incerteza do Brexit e crescimento global mais fraco está claramente atingindo as perspectivas de confiança e exportação, com as perspectivas de emprego mais fracas desde a crise financeira global – disse Rain Newton-Smith, economista-chefe do CBI.

Corte de juros

O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) pode precisar cortar as taxas de juros dentro do cenário provável de persistência de altos níveis de incerteza sobre o Brexit, disse Michael Saunders, autoridade do BoE, na última semana de setembro, no primeiro sinal claro de que o banco central está considerando uma redução de taxa.

Saunders —que foi a primeira autoridade do BoE a votar por taxas de juro mais elevadas em 2017 e 2018— disse que agora sua visão é de que o caminho imprevisível do Brexit persistirá, agindo como uma “punção lenta” para a economia.

– O crescimento desacelerou para um mero rastejo – disse ele a empresas locais em Barnsley, norte da Inglaterra.

– Acho que é bastante plausível que o próximo movimento na taxa de juros seja de queda, e não de aumento – completou.

Após os comentários, a libra caiu cerca de meio centavo em relação ao dólar, para uma mínima em três semanas, e os rendimentos dos títulos de curto prazo do governo recuaram em torno de 4 pontos-base e 5 pontos-base, à medida que os investidores a chance maior de redução nos custos de empréstimos.

Reino Unido fora da UE

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, prometeu tirar o Reino Unido da União Europeia (UE) até 31 de outubro —sem qualquer acordo de transição, se necessário—, mas está em um impasse com o Parlamento, que votou por impedir uma saída sem acordo no próximo mês.

Uma pesquisa realizada em setembro mostrou que a economia britânica está em sério risco de entrar em sua primeira recessão desde a crise financeira, à medida que a confiança empresarial diminui na esteira da crise do Brexit.

O crescimento no dominante setor de serviços do Reino Unido desacelerou em agosto, e as expectativas empresariais caíram aos níveis mais baixos em mais de três anos, de acordo com o índice de gerentes de compras (PMI) para o setor de serviços IHS Markit/CIPS.

O índice caiu para 50,6, de 51,4 em julho —pouco acima da barreira dos 50, que separa crescimento e contração. Uma pesquisa da Reuters com economistas apontou uma leitura de 51,0.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *