Pesquisa revela que mais de 6.000 civis morreram na invasão do Iraque

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quarta-feira, 9 de julho de 2003 as 10:07, por: CdB

Novas informações vindas de áreas remotas do Iraque elevaram de 5.500 para ao menos 6.000 o número de civis mortos na guerra liderada pelos EUA, afirmou um grupo de pesquisa anglo-americano, nesta quarta-feira.

As cifras mais recentes do grupo Contagem de Corpos Iraque (IBC), elaboradas com base em informações de meios de comunicação e de mais de dez equipes de investigadores independentes de dentro e fora do país, mostram que no mínimo 6.055 civis foram mortos e, no máximo, 7.706.

– Tanto os EUA quanto a Grã-Bretanha disseram ter feito todo o possível para minimizar o número de vítimas entre civis e falaram muito sobre armas inteligentes, sobre armas de precisão – afirmou John Sloboda, do IBC.

– Com base nisso, a gente poderia esperar uma guerra limpa, com poucas vítimas. Mas não acho que 5.000 a 7.000 mortos seja pouco. Está claro que as promessas da coalizão eram bobagens disseminadas com objetivos políticos.

Os números mais recentes do IBC aumentaram em cerca de 500 depois da inclusão de dados de áreas que antes não tinham sido visitadas por pessoas de fora. O grupo diz que seus números são o cômputo mais amplo sobre a morte de civis na guerra.

– Se olharmos para o mapa do Iraque, ainda há um monte de lugares nos quais as forças aliadas devem ter penetrado e de onde não há informações sobre mortes simplesmente porque nenhum jornalista e nenhum pesquisador foi até lá – disse Sloboda.

Os EUA e a Grã-Bretanha afirmaram várias vezes que pretendiam preservar a vida dos civis o máximo possível. Mas os dois países recusam-se a divulgar cifras sobre o número de vítimas.