Pesquisadores desenvolvem olho biônico

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado sábado, 10 de maio de 2003 as 11:24, por: CdB

Pesquisadores americanos criaram uma retina biônica que devolve a visão a pessoas que a perderam devido a doenças degenerativas, e a crianças cegas. Os resultados dos testes feitos com essa retina foram divulgados em uma reunião da Associação de Pesquisas para Visão e Oftalmologia realizada em Fort Lauderdale, Flórida.

Até agora três pacientes receberam o implante do dispositivo, que é uma placa de silício e platina, que tem 16 eletrodos, três vezes menor que um lente de contato e se aplica sobre a retina. A placa estimula de forma elétrica as células da retina ainda vivas, as quais passam a informação visual ao cérebro através do nervo ótico.

Mark Humayun, professor de oftalmologia da Universidade do Sul da Califórnia, disse que o dispositivo “pode ser usado pelos pacientes para detectar luz e até para distinguir objetos, como uma xícara ou um prato pequeno”.

A placa óptica foi projetada para substituir células da retina em pessoas que sofreram doenças como retinitis pigmentosa e degeneração macular, que são as principais causas da cegueira em pessoas de idade avançada. No entanto, o funcionamento do dispositivo ocular não é tão simples como parece até, inclusive, num futuro relativamente próximo, poderia ter mais vantagens que um olho humano.

O implante não processa a luz diretamente e os pacientes devem usar lentes nas quais se instala uma pequena câmara de vídeo. Esta transmite as imagens a um receptor o qual as envia ao microprocessador biônico onde se recria a imagem original. Sua vantagem é que a câmara é muito pequena “e conta com a capacidade de aproximar ou afastar a imagem e ajustar as cores”, disse Humayun.

Além disso, se conceberá uma versão com mil eletrodos os quais produzirão imagens muito melhor definidas em um campo de visão muito mais amplo, afirmou. Humayun prognosticou que, em última instância, a retina vai se utilizar da mesma forma que o atual implante coclear que se utiliza para restabelecer a audição em crianças que nascem surdas.

O dispositivo coclear transforma sinais acústicos em sinais elétricos que estimulam o nervo auditivo.

– Estes aparelhos têm que ser implantados na infância, antes que o cérebro fique condicionado à surdez. Eu acho que se poderá fazer o mesmo com a cegueira – disse.