Pesquisas com remédios não oncológicos trazem esperança no combate ao câncer

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021 as 12:37, por: CdB

Em 2020, pesquisadores do centro acadêmico de ciências da saúde pública do Southwestern Simmons Cancer Center, da Universidade do Texas, descobriram  uma combinação de medicamentos que supostamente pode deter o crescimento de células cancerígenas.

Por Redação, com DW – de Nova York

Em princípio, os medicamentos são desenvolvidos com um objetivo muito específico, como aliviar dores, baixar a pressão sanguínea ou curar uma doença.

Pesquisas com compostos em princípio não oncológicos trazem esperança de descoberta de novos agentes ativos contra o câncer

O desenvolvimento de uma droga desse tipo requer um longo caminho. Em média, são necessários 13 anos desde a ideia até a aprovação. A maioria dos candidatos nem chega tão longe.

Mas, apesar do longo processo, ainda há um elemento surpresa no final: quando medicamentos que se destinavam a um propósito específico, ou em combinação com outros agentes ativos, mais tarde mostram um efeito diferente e inesperado para outras doenças.

Pesquisadores querem aproveitar melhor precisamente este efeito para combater o câncer. “Reposicionamento de drogas” é a palavra-chave da nova alternativa para o tratamento de doenças.

Entre as vantagens dessa abordagem estão o fato de os longos processos de pesquisa e aprovação já terem sido concluídos, e os princípios ativos considerados seguros para uso médico. O reposicionamento é mais rápido, mais fácil e mais barato do que um medicamento recente desenvolvido por completo.

Reciclando velhas descobertas

Em 2020, pesquisadores do centro acadêmico de ciências da saúde pública do Southwestern Simmons Cancer Center, da Universidade do Texas, descobriram  uma combinação de medicamentos que supostamente pode deter o crescimento de células cancerígenas. Trata-se de um composto que já está no mercado e pode neutralizar a resistência a um novo e promissor remédio contra o câncer que ainda esteja passando por estudos clínicos.

Ao testar por vários anos centenas de medicamentos para ver como eles afetavam as células cancerígenas, oncologistas da Universidade de Bergen,  Noruega, descobriram que o anti-helmíntico nitazoxanida, usado contra parasitas intestinais como as tênias e a giárdia, age como um remédio feito sob medida contra o câncer de próstata e de intestino.

– Descobrimos que essa substância específica bloqueia o caminho de sinalização nas células cancerosas e as faz parar de crescer – explicou Karl-Henning Kalland do Departamento de Ciências Clínicas da Universidade de Bergen.

Não é frequente pesquisadores descobrirem um composto que visa moléculas específicas tão precisamente quanto este, acrescentou. Um estudo de 2018 confirmou a descoberta dos pesquisadores com relação a tumores cerebrais (glioblastoma multiforme), mas também apontou para a necessidade de mais pesquisas.

Biblioteca de medicamentos

Muitas vezes, é difícil acompanhar o andamento das pesquisas. É aí que entram os cientistas do Broad Institute, ligado ao Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, em inglês), à Universidade de Harvard e ao Instituto do Câncer Dana-Farber.  Eles publicaram um estudo na revista Nature Reviews Cancer baseado numa pesquisa feita no Centro de Reaproveitamento de Medicamentos, um banco de dados para ajudar cientistas a encontrarem novos usos para compostos já aprovados.

Em 2020, o banco de dados registrava mais de 6 mil substâncias aprovadas pela agência americana de medicamentos FDA, ou que demonstraram ser seguros em ensaios clínicos. Os Elas são listadas com sua estrutura química, eficácia e usos anteriores.

O estudo também marca a primeira vez que pesquisadores examinaram sistematicamente todo o acervo, formado sobretudo por drogas não oncológicas, em busca de suas propriedades anticancerígenas.

O acidente do Viagra

A surpresa é que eles encontraram quase 50 compostos que podem ter um efeito ainda não reconhecido no combate ao câncer. Com base nisso, pode-se acelerar o desenvolvimento de novos medicamentos oncológicos ou os já existentes podem ser reorientados para tratar o câncer.

– Na verdade, já nos considerávamos sortudos se encontrássemos apenas um composto com propriedades anticancerígenas. Por isso ficamos surpresos ao encontrar tantos – diz Todd Golub, diretor do programa de câncer do Instituto Broad.

– Criamos o Centro de Reaproveitamento de Medicamentos para permitir que pesquisadores façam este tipo de descobertas acidentais de forma mais deliberada – diz o autor principal do estudo, Steven Corsello, oncologista do Instituto Dana-Farber  e fundador do banco de dados de medicamentos.

Uma dessas “descobertas acidentais” a que Corsello se refere foi o ácido acetilsalicílico, mais conhecido como ingrediente ativo da aspirina, originalmente desenvolvido como analgésico. Mais tarde, descobriu-se que ele também poderia ajudar a prevenir ataques cardíacos e derrames.

Também a descoberta do Viagra como estimulante sexual foi pura coincidência: originalmente, o princípio ativo sildenafil deveria ser testado contra problemas cardíacos e hipertensão, mas ainda durante o estudo o princípio ativo desapontou as esperanças depositadas nele.

No entanto, muitos dos participantes masculinos do estudo pediram para manter o medicamento mesmo após o fim da pesquisa, pois a função erétil deles havia melhorado drasticamente. A propósito, Viagra também ajuda a melhorar o desempenho respiratório de quem escala montanhas, e serve como prevenção ou terapia contra doenças de altitude ou hipobaropatia.

Responsabilidade científica

Mas por mais anedótica que seja esta incursão ao mundo dos testes com drogas, há outros casos a relatar. Em 2016, tomou vida própria a notícia de que certas quimioterapias funcionam melhor quando combinadas com o opioide metadona. Isto trouxe grandes expectativas entre os pacientes e seus familiares, de que o medicamento teria um efeito antitumoral.

A Sociedade Alemã de Hematologia e Oncologia Médica (DGHO) publicou então um panfleto informativo aos pacientes, distinguindo claramente entre o “uso de metadona na terapia da dor de pacientes com câncer” e o “uso como medicamento antitumoral”, ou seja, droga contra o câncer.