Petrobras desativa escritório de Londres e se muda para Holanda

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 23 de dezembro de 2020 as 14:48, por: CdB

A Petrobras também disse que poderá fechar em breve outras unidades, principalmente na América Latina, em meio à venda de ativos na região e à racionalização de sua presença internacional.

Por Redação – do Rio de Janeiro

A estatal brasileira do petróleo anunciou, nesta quarta-feira, que as atividades comerciais da Petrobras Europe, sediadas atualmente em Londres, na Inglaterra, serão transferidas para unidade da companhia em Roterdã, na Holanda. A iniciativa segue alinhada a um plano de redução de despesas corporativas.

Fachada do prédio da Petrobras no Rio de Janeiro
A Petrobras, com sede no Rio de Janeiro, segue com seu plano de desinvestimentos

A Petrobras também disse que poderá fechar em breve outras unidades, principalmente na América Latina, em meio à venda de ativos na região e à racionalização de sua presença internacional.

A mudança de Londres para Roterdã deve ser iniciada no próximo trimestre e concluída no segundo semestre de 2021, afirmou a Petrobras, em comunicado divulgado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Desinvestimentos

“Com esta medida, a economia com a desativação de escritórios externos desde 2019 atingirá 13,5 milhões de dólares por ano em 2021”, afirmou a empresa. A petroleira disse que pretende concentrar sua atuação comercial fora do Brasil no escritório holandês; em Houston, nos Estados Unidos; e em Cingapura, na Ásia.

“A companhia mantém, ainda, escritórios na Bolívia, Argentina, Colômbia e no Uruguai. Nesses três últimos países, há processo de desinvestimentos em curso, e a tendência é que, uma vez concluídos, os respectivos escritórios sejam também desativados”, acrescentou a estatal.

A Petrobras também tem reduzido gastos com escritórios no Brasil. A empresa, que chegou a ocupar 23 edifícios administrativos no país há dois anos, deve reduzir esse número a oito no primeiro trimestre de 2021. Isso implicará redução de custos de até 30 milhões de dólares no ano, estimou.