PF faz buscas na Bahia e SP em nova fase de investigação sobre Transpetro

Arquivado em: Brasil, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2018 as 11:00, por: CdB

A chamada operação Sothis II, 50ª fase da Lava Jato, é um prosseguimento de medidas cumpridas na 47ª fase, que prendeu um ex-gerente da Transpetro

Por Redação, com Reuters – de Brasília/São Paulo:

Agentes da Polícia Federal cumpriram na manhã desta sexta-feira três mandados de busca e apreensão nos Estados da Bahia e de São Paulo em nova etapa das investigações da operação Lava Jato sobre suspeita de pagamento de propina em contratos da Transpetro, subsidiária da Petrobras, informou a PF.

Agentes da Polícia Federal cumpriram na manhã desta sexta-feira três mandados de busca e apreensão nos Estados da Bahia e de São Paulo

A chamada operação Sothis II, 50ª fase da Lava Jato, é um prosseguimento de medidas cumpridas na 47ª fase; que prendeu um ex-gerente da Transpetro, em novembro do ano passado; por suspeita de receber R$ 7 milhões em pagamentos ilegais e fazer repasses ao PT. 

Os repasses teriam ocorrido de setembro de 2009 a março de 2014; e foram revelados a partir de acordo de colaboração premiada de executivos da empresa de engenharia responsável pelos pagamentos, a NM Engenharia; de acordo com autoridades.

Os mandados desta sexta-feira foram expedidos pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba; para serem cumpridos nas cidades de Salvador (BA), Campinas e Paulínia (SP).

Casa da Moeda

Policiais federais e a Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda fizeram nesta sexta uma operação; para investigar fraude em licitação na Casa da Moeda do Brasil, no Rio de Janeiro.

Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão no Rio, São Paulo, São José dos Campos (SP), Itajubá (MG) e Brazópolis (MG).

Segundo a Polícia Federal, há suspeita de que uma empresa privada tenha sido beneficiada; por uma licitação destinada à aquisição de equipamentos utilizados na fabricação de dinheiro. Os equipamentos custaram à Casa da Moeda R$ 300 milhões.

A PF acredita que tenha havido pagamento de vantagens indevidas a servidores públicos para; que a empresa tivesse sucesso na licitação, ocorrida em 2009.

Essa é a segunda fase da Operação Vícios, cuja primeira fase ocorreu em julho de 2015. Na ocasião, 23 mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Rio, São Paulo e Brasília; inclusive em dependências da Receita Federal e da Casa da Moeda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *